Visa Brasil

Urgent information for visa applicants regarding novel coronavirus: The U.S. Embassy and Consulates in Brazil have suspended routine immigrant and nonimmigrant visa appointments. We will resume routine visa services as soon as possible but are unable to provide a specific date at this time. For information about visa services at U.S. Embassies and Consulates worldwide, please visit usembassy ... Brazil Visa Application Online Requirements. The Brazil visa application online requirements no longer apply as the Brazil eVisa is not available any more. Citizens from the US, Canada, Australia, and Japan can now enter Brazil without any form of visa.. The Brazilian visa application form was designed to make it easier for citizens from eligible countries to apply for a visa for Brazil. Visa Exempt. The government of Brazil have implemented a visa-free regime starting June 17th, 2019. Travelers can enter in Brazil for a stay of up to 90 days, which can be extended for an additional 90 days. Please keep in mind that even if staying less than 90 days, you must: Stay less than 180 days within a 12-month period What is the Brazil Visa Online? The Brazil eVisa is no longer available.From June 17, 2019, travelers from the USA, Canada, Australia, and Japan will be able to enter Brazil for periods of up to 90 days without a Brazil eVisa or any other type of travel authorization.Previously, travelers from these 4 countries were required to apply online for an eVisa for Brazil to be able to enter the country. As of June 16, 2019, U.S. citizens do not need a visa if they are traveling to Brazil for tourism, business, transit, artistic or sport activities, with no intention of establishing residence. For other types of travel, U.S. citizens may need to apply for a Brazilian visa either online here or at the nearest Brazilian consulate in the United ... A Visa conecta pessoas todos os dias através de soluções inovadoras de pagamento. Cartões de crédito, Visa Checkout, pagamento por aproximação e mais. Conheça! Pasaporte y Visa para ingreso a Brasil. Para ingresar a Brasil es necesario contar con un pasaporte con validez de al menos 6 meses desde la fecha de entrada y con 2 páginas en blanco. Ciertos países requieren de Visa, consulte esta página para conocer sus requerimientos de acuerdo a su nacionalidad. VISA TO BRAZIL ONLINE APPLICATION. As of January 25 2018, citizens from eligible nations who wish to visit Brazil are able to apply for an Electronic Visa (eVisa). The benefit is aimed at streamlining the visa application process. Applicants will no longer need to visit the consulate or make appointment with an officer. Business Visa Application Requirements for a Brazil Visa. Visa Exempt. The government of Brazil have implemented a visa-free regime starting June 17th, 2019. Travelers can enter in Brazil for a stay of up to 90 days, which can be extended for an additional 90 days. Please keep in mind that even if staying less than 90 days, you must: For visa purposes, Mission Brazil's convention was to use the very last name as Surname and the rest of the name, however long, as Given Name. Current Brazilian passports break names down by Surname/Given Name. As a result, visas issued pre-December 2010 may display the applicant's Surname/Given Name differently than in their new passports.

autodetailingBR

2020.03.10 19:28 jeanjaian autodetailingBR

Comunidade destinada a troca de conteúdo entre profissionais de detalhamento automotivo do Brasil, ou de qualquer parte do mundo, bem como de entusiastas e proprietários de veículos. Visa-se aqui o aprendizado, compartilhamento de novidades, notícias, dicas, tutoriais, vídeos e fotos relacionados à área. Seja bem-vindo! Escolha uma etiqueta (flair) para seu perfil nesta comunidade e cada vez que postar escolha também a etiqueta para categorizar o assunto. Assim fica fácil encontrar informações!
[link]


2020.09.08 02:59 500scnds [Table] My name is Paolo Cattaneo. 5 years ago I quit my job, sold everything I had and embarked in a trip around the world on a motorcycle. Rode for almost 185000 km. Still going! Here to answer question about self sustained living on the road and long distance solo travelling. AmA! (pt 2)

Source Previous part
Note: I'm not sure whether a trigger warning for mentioning depression is appropriate here, but better to be safe than to be sorry.
Questions Answers
Did you have any sort of health insurance during this time? (I'm thinking mainly in the United States where an unexpected visit can cost thousands) yes. There are specific TRAVEL INSURANCE which cover medical and unforeseen expenses like the one you mentioned. I use Worldnomads, which costs me around $800 a year and cover the whole world.
the below is a reply to the above
The hell?! Can you get that even if you stay in only one country? I live in the U.S. and it costs $500 a month for insurance. I believe it depends from your country of residence. Ouch
This is such an incredible story! This is one of the coolest things I’ve ever heard or read. I just recently finished reading “The Motorcyle Diaries”. I gave you a follow on ig too. What’s the next country you plan on traveling through? Thanks a lot!! :) I am planning to ride back to Australia via Asia. Not quite sure yet about the itinerary...since covid stopped me for now. Thanks again for the nice words!
Sorry to ask yet another money question, but I think this is the biggest block to doing something like this for most people! 1. When you went to LA initially (when you were 24), you say you pretty much only had enough money for the plane ticket. How did you sustain yourself when you arrived and how long did it take for you to 'get on your feet'? 2. How do/did you deal with 'scarcity' mentality of perhaps one day not being able to find a job (even an odd job, or a temporary position) and running out of money, and facing a more unstable housing/financial situation? Thanks! Thanks for the question mate. Again, absolutely plausible. When I flew to LA, I had saved some money for the plane ticket and arranged a couch for the first 2 weeks with a friend of a cousin of a distant uncle (the only real connection I had a the time). Meanwhile I was trying to sell my motorcycle at home in Italy. I sold it 2 days after I left and my family helped me completing the sale and sent me the money overseas. I think I sold the bike for 1200 euros. That lasted me quite a while. I did back and forth from Italy to USA few times and I was getting some occasional jobs in Milan to pay for my trips. I made just enough to pay for flights and accommodation. But I remember that a lot of food was offered to me. I was sleeping on people's couches and at times I was eating one Starbucks Frappuccino a day. I know...not the best diet...but I think It was around $2.5 and full of sugar and coffee so It kept me going. Generally I survived thanks to people I met along the way and their generosity. I had a wonderful time in USA. Most people are really willing to help. Some other instead want to take advantage of you. Learned both lessons the hard way, I guess.
Eventually, after thousands of closed doors, I managed to find an IT company that was willing to sponsor me for my visa stuff. It was a complicated time for me, mostly because I wasn't prepared mentally for such cultural gap and such challenges. When you are alone, without your family and friends around, and you have to take care of yourself and your life, you start to know who you really are.
Somehow It is an experience that I would recommend to everybody. Those are some of the most intense yet rewarding experiences I had in my life.
the below is a reply to the above
Thanks for answering! I was curious to know the reality of upping and moving somewhere without a job waiting for you or much money in your pocket and a frappuccino for your daily meal is certainly a peak behind the curtain!! But I agree with you that most people are kind and willing to help. I believe in that in general. I admire your resilience. I've certainly dealt with a lot of closed doors and isolation from family and friends too, but often get scared to "do what I really want" because I'm so afraid of being stuck somewhere without money. Wishing you continued success and safe travels! I wish you good luck too! I am sure you can endure much you can think. Go for it!
Can I join you ?! Lmao This is my Dream .. good for you man . Good for fuckin youuuu !!! Share the love & grow strong . Thanks for the support mate!! Go for it! You can do it!
How come you’re happy and I’m depressed as fuck? I don't want to open a can of worms, but I was super depressed too. Depression is a state of mind in which you tell yourself that "something is wrong". Whether the wrong comes from inside or outside of you, your mind is telling you that there's something that needs to be fixed. It's a good indicator that you are on the path of healing yourself if you want.
Sincerely, if one is not depressed a bit, these days, it would be completely unaware of your surroundings and even your own existence.
Before leaving for Australia, I spent 2 and a half years in deep sadness (you can call it depression if you will), caused by several factors. I had a meaningless job (for me), I HAD TO live with my parents and I was even going through break up with my ex, which ripped my heart apart. I basically didn't get out of my room for 2 years, while I was helping my grandma on her deathbed and my dad was sick with Alzheimer. Fun, uh?
I am not saying that it's good to be depressed, but you can choose to use it as a propeller to wish for something better. You can change your reality. It's entirely up to you, how you see the world and the opportunities you have in life to grow.
the below is a reply to the above
I understand what you are trying to say but I have to disagree. It's a bit like telling a person with a broken back that if they wished hard enough to walk, they will walk just fine. Depression doesn't work like that. You may have made it out of it but to somebody that is currently in a deeply depressive state, the only thing they will hear is: "You aren't trying hard enough, you could do it but you just aren't even trying. You are a useless piece of shit because you are too lazy to change. It's entirely up to you! You useless fuck." I agree with you. But I believe that there is somehow a bottom line...and when reached somebody will try to react to it and fight back. It's a self preservation mechanism.
the below is a reply to the above
Nah, believe me, there is no bottom. If there were, there wouldn't be people killing themselves. I don't have any self-preservation left, for example. I'm so dead inside that I don't even bother to kill myself because I even lack that energy. It's just chugging along, time flies, and I'm not really there. Seems like you are inside "the spiral" mate. You ll get out of it, trust me. Sounds silly but enjoying a bit of sun, seemed to have helped me at that time when I felt like that. In any case, just give it time and don't give up. Try to get outside and stay in nature if you can. It doesn't change much but It helps. Stay strong, mate. Give it time.
the below is a reply to the above
I live in one of the most beautiful areas of the world (county Galway in Ireland), right at the sea. I can see it from my window and the beach is 5 minutes away. It doesn't help. I don't even have the energy to go outside, even on a nice day. You've been lucky to get out, all I ask is you not blaming people that can't. It's not a thing of willpower or sunshine. It's a thing of lacking any kind of willpower. I've been like this for over 20 years, sometimes better, sometimes worse. That's not a spiral anymore. It's a chute. I'm sorry mate. I hope you ll get better anyway.
I was just looking at your Instagram photos... Wow! You take gorgeous photos and have such an interesting story to share. Have you ever thought about writing a book? It seems to me that travel and adventure magazines would also pay you to write stories for them. Just something to think about. Good luck! Thank you, but I think that I'm not doing anything that hasn't been done before. I do like to share and help people see the world for the beautiful place it is...but that's about it. Thanks for the compliment, though!
Do you avoid public attractions where you have to pay a fee like castles, palaces or other famous tourist attractions. If you avoid them, are you curious about them and want to visit them but you don’t have enough money or don’t you care about tourist attractions? Good question! I recently posted the story on my instagram about Machu Picchu in Peru, which I refused to visit because of the exorbitant entry fee. $70 USD to enter the site is an unreasonable amount...regardless the fact that it is undoubtedly a beautiful site to visit. I usually avoid big tourist traps, but sometimes you gotta pay. The most I've paid was $35 to enter Iguazu Falls and $35 to enter Perito moreno Glacier. Both worth it sincerely, even if overpriced. I left the others aside and went for the cheap ones instead.
I am from Greece.Where in Greece have you been?And how did you make money during these years to "pay the bills"? Oh mate!! what a beautiful country! I had a great time there! I spent most of my quarantine and lockdown in Crete, but I entered Greece from Albania, then rode down to the Peloponnese and rode to Athens, Evia and even Santorini!! Check my insta for all the amazing places I've seen! I am still stoked for the great hospitality I received from the greeks and the amazing places I've seen!! For the economical part of your question, please see previous answers, where I explained in details the money factor.
How do you plan what route you will take? Do you navigate primarily with map+compass? GPS on your phone? Both? If M+C, what sort of compass do you use, and where do you obtain your maps for each country or locality? Hello! I mostly use Google maps for my navigation and planning. Most of the info i get from the places I want to visit, are obtainable from the app itself. It's a brief guide but works for me. If in remote areas I use Maps.me, which works offline and has trails too.
the below is a reply to the above
Have you tried getting a sponsorship from google for using their maps I actually thought about it...but never really went through with it. Maybe they let me mount a gigantic 360 camera on top of my helmet and then I'll be stuck with it. Haha
How do you deal with dirty toilets in some areas where you cannot find any usable ones if that has ever happened? Also what do you do when there are none around, like on a desert road or something? This and my trust issues with getting help from strangers is what keeps me from even thinking about doing something like what you're doing. Very pertinent question as I find myself sometimes with no toilets around. There's a basic system, which I wasn't really accustomed to...that is "squatting"...that help with the mentioned activity. When in the wild, you need to have the curtesy at least of (some privacy, obviously) digging a hole in the ground with a stick or something...and then covering it up when you are done with your business. Toilet paper and wet wipes have to be bagged and disposed in the first available garbage bag. This concerned N2, clearly. For N1, being a guy, it is quite practical. But there are a lot of girls travellers which simply "hide behind something". It is quite unorthodox but I guess you get used to it eventually. It's just a matter of doing it the first few times. Then It becomes ok.
What was the moment you thought, ''It was all worth it''? It was when I arrived back in Sydney, after riding all around Australia... After the first few days of riding I remember I had still some doubts on my mind about resigning and selling everything, etc. When I returned in my own beloved town, it was like i saw myself in the mirror. I saw myself as the person I was before...and the one I had become. And I didn't like the person I was before...so I understood that my life had changed forever. I realized that giving everything up was worth the realization of who I was at that time. I also realized that I couldn't stop there...
Wah! Thanks for the AmA! I've always wanted to have a chat with people who like to travel the world. Your answers are very straightforward, I love that! Did you ever get into trouble with local people like pickpockets and tourist scam? Did you ever have any emergency medical troubles? Do you try to enjoy local street food? (If so, did you ever had any stomache because your body isn't used to that type of food?). Err I think I've made too many questions at once. Have fun & enjoy your life adventure, whatever you decide to do in your future! No problems! It's a pleasure!! So, I never really had problems with pickpocketers. But I also always look around while walking in big cities. As I mentioned before, the only bad occurrence I had was in Canada, where somebody stole my rusty tools bag from my bike, while parked in Vancouver. I never had medical issue...hurray!!! I do LOVE to try all food. The "weirdest" the better! I think I have a fetish for local street food. So yeah, I eventually had a bit of stomachache but it was mostly my fault. I had a raw shrimp from a market in Mexico. Not wise! haha I built my immune system I think, just drinking tap water from everywhere. If locals don't die...I shouldn't either, right!? ;)
Is your ass now made of steel? I had to draw a line in the middle of my bum to see where my cheeks were... ;)
Have you been to Bulgaria yet? How much did you see if you have? No, I haven't. But It's definitely on my list.
the below is a reply to the above
Are you taking reccomendations for places to visit in countries? Because i have a few reccomendations for bulgaria. Of course!! 😊 maybe send those to me as DM so those don't get lost in the post. Cheers!! 🙏
Have you ever worried about not being able to get a job later on once you stop travelling, due to the big gap between jobs in your CV? I am not an HR guy...but If I was... I would hire a guy that travelled the world on a motorcycle to have on my team, instead of somebody with straight AA, tons of certificates and no life experience. but maybe I'm wrong. ;)
100k+ on a KTM and no major problems? INCONCEIVABLE! Do you have an ADV th'd? ahha I know right!??! It's actually almost 200000 km mate and still going strong with no mechanical issues!! Crazy!! I am in awe too! I am on ADVRIDER, yes. But don't have a thread about this.
When did you find out about COVID and how has it affected your travels? Thanks and warmest regards! Oh man, that was such a bummer! I left italy on the 15th of Feb, 10 days before the first case in Lombardy. One week later it was already mayhem. As soon as the Italian disaster exploded, people started to look at me as carrier of virus...like they were doing with asians in general, no matter if they were from indonesia or mongolia or china. I entered Albania and there were rumors of borders starting to close. So I headed to Greece, since it is still EU and I could get sent back to Italy easily. After spending 4 months in Greece, I took the first available ferry back to Italy, where I am waiting for the pandemic to settle a bit. Then I'll leave again.
Hey Paolo, I recently rode a motorcycle across Vietnam and it got me inspired to ride from Alaska to Argentina, hopefully leaving next summer, virus permitting. I’ll most likely be riding my Honda CRF250L, not quite a KTM haha. Do you have any advice for a young man looking for more adventure? Yes. Great bike first of all!! You ll love it! South america is kind of paradise for motorcycling so...yeah. I would recommend you to pick the right seasons to ride alaska and patagonia. Crucial for the outcome of your expedition.
the below is a reply to the above
I appreciate it! I’ll definitely keep the seasons in mind for Patagonia and have already made sure to head to Alaska in the summer. I mean, I went to Alaska in september and weather was amazing...and rode through patagonia in autumn which was chilly but absolutely fantastic! Less people and beautiful colours!
the below is a reply to the above
Less people would definitely be a plus! What are the average speeds in South America or are certain country’s faster than others? I’m worried my CRF might not be fast enough in places. Your bike is absolutely fine. Do not worry about that
Ciao! I am a italian too, precisely sicilian. Next summer I will probably travel all sicily, how much money do you think i need to bring, and how can I save as much as possible? I want to stay a bunch of days while traveling through cities. Like 3 days at Agrigento, for example. Any suggestions are welcomed! Sto scrivendo in inglese pure per far vedere ad altri i tuoi suggerimenti Ciao! well, I cannot tell you how much you'll need to travel...even just Sicily. It depends where you are willing to sleep, what are you willing to sacrifice in terms of food and what time of the year you are planning to travel. Just know that food and accommodation are the most expensive elements of your trip.
Did you get any inspiration from Emilio Scotto’s ride around the world? Any plans (or desire) to try and break his record? I do not know him. I also never read the Motorcycle diaries or Zen and the art of motorcycle. Also never seen long way around or tried to grow a beard like Che guevara.
Just doing my thing, my own way. But there have been many before me for sure.
Did you ride in Nepal as well? If so, how did you find the roads and the journey through Nepal? Also what was your most adventurous experience here? I am a Nepalese so I am asking these to learn what people think when visiting my country. I haven't been that part of the world yet. But It's on my list!!!
Did you ever get down and dirty with anyone? Yes. Mostly with my motorcycle. :)
Why did you choose such a big bike? Is all the driving on roads? What modifications did you make before heading out? I chose my dream bike. I had no Idea where I would have taken my motorcycle in the future. At the time of purchase, I was in love with it. I still am!
I just added a lighter muffler, skid plate and rear rack. The bike itself is a marvel of technology.
I go on and offroad. see my youtube videos... ;)
Hey man, back when you were trekking across south america, did you visit Venezuela? When I was In brazil, It didn't occur to me to enter Venezuela. Then when I reached Colombia, the border with it was closed for vehicle due to the unstable situation. I really want to go. It's the pebble in my south american shoe. ;)
I have enjoyed watching your travels on IG. What is the scariest situation you have ever gotten yourself into while traveling? Thanks for tagging along! I had few close calls with my bike...but I guess, If you ride a motorcycle, it is quite common. I almost fell into a canyon... Ouch
Hi Paolo. Where would you say the best roads were? I mean, good condition, few potholes. Where would you say the best views were? What kind of spare parts did you bring along to make sure you could always keep going? Mmm best roads...i think ecuador had pretty spectacular new roads. At the time I think most roads were 5-10 years old and conditions were optimal.
Best views probably Peru. Nothing can beat the view from a 6000 m mountain...
You can't possibly carry all spare parts. You never know what could happen...but I did bring a spare front tube in case of a flat and some spare screws. Duct tape and cable ties are also a must for any traveller
[deleted] I do not have a single moment which I consider my favorite. Generally speaking, I could say that the "feeling of freedom" that riding with no schedule and limitation gives, Is the happy memory that I will bring with me even when this experience will be over. The scariest is certainly the moment when I almost fell into a canyon, while riding in Peru. Colca Canyon is one of the deepest canyons in the world and I lost control of the bike, riding down on a tiny dirt road. Fortunately I managed to stop right at the edge of it...but It took me a good 10 minutes to recover from that close call.
Have you ever feared for your life? As in, did it ever cross your mind that you might get mugged or something? Have you ever been mugged while traveling or been in that situation? Do you carry some sort of knife or gun? Never feared for my life. No. Maybe it's a bit naive of me but I've never felt in need to carry a weapon to protect myself. I don't think there are people out there willing to kill me to take my stuff. But i did cross countries where this kind of stuff happens. In any case, the probability that this would have happened was in my opinion way smaller than the contrary. In fact if you ever have the chance to talk to some of the other thousands of travellers that have been around for a while, none had the need to carry weapons or any sort of defense aid to protect their personage or belongings. Not even girls.
Have you had any accidents or near misses in your travels? If more than one, are there any that stand out? Tons!! Unfortunately riding a motorcycle doesn't leave any choice. I almost fell into a canyon in Peru. That wasn't good. Also, close calls with maaaany trucks in Bolivia. There are no driving rules there much... I crashed at 100km/h in Argentina and crashed against a wall, in San Francisco, distracted by my GPS. Normal day at the office! 😅
What was your favorite place you’ve traveled to so far? I have one favourite place, which I always mention because I support the underdogs... I also love nature and food, so...
Ecuador is my favourite country.
the below is a reply to the above
Any specifics or highlights about Ecuador you can share? Looking for my next trip with a friend! Galapagos is like Jurassic Park. But with no fancy shopping center. Would recommend Baños and Cuenca area too.
What was it like going through the Middle East? I've always wanted to explore that part of the world. Haven't quite reached the middle east yet. Stopped by the covid. booo
Any issues or denials to get your bike through customs anywhere? Nope. Just showing my paperwork and off i went! So far I haven't been in countries that required Carnet de Passage.
I see you have good amount of followers on insta and You tube. Have you thought about using it as a source of income like travel bloggers do or have you already done that? If not have you thought about doing it? Also might be rude but how much did you save in those years that can last so long. I mean if i were to do it like is there any bracket amount you'd like to give us? Also what about your fam? Not enough to generate income on both i think. But yeah, maybe I ll give it a go in the future. Not sure though...because you need to constantly being absorbed by the platform and create content to generate a good income...which I saw with other people became a burden, in the long run. I saved up 40k in 5 years of work. Best advice I can give is to spend your money wisely. Do not spend it in booze or clothes or any other unnecessary commodity that is not relevant in the long run. Being constantly focused on the preparation of the trip is 80% of what it actually takes to go fo it.
My family has been generally supportive about my trip. They sometimes worry but they do because they care. They don't fully understand my life choices but they respect those because they realized I am the only one responsible for my own future.
What is the worst weather you have had to ride through, and how did you deal with it? Oh man!! 2 days. One was when I rode 750km under frozen rain in canada, against 60km/h headwind, along lake superior. After i reached my destination, i watched the news and saw that they closed the road I just rode on because it collapsed, devoured by the amount of water that fell from the sky. Average temp was 2 degrees Celsius.
The other day was when I arrived in Vancouver 2 years ago in march. 30 cm of snow. -5°C and worst snow storm in the last decade. If i didn't die that day...
Great AMA. Just watched a few of your YouTube videos. Do you have music playing constantly while riding? How has your music likes changed and is there any songs you still play today from the Australia trip? Thanks I never listen to music while riding. I actually put some earplugs and try to enjoy the ride and let my thoughts flow. It's my meditation moment. Music I listen to change constantly...depending on mood and situation. I probably still have some ACDC tunes laying around in my playlists somewhere. ;)
How did you cross the Darian Gap? There were 4 options: - shipping container (Not so cheap, time consuming and risky in terms of getting the bike out from the port) $750 - air freight (fast. 4 hours and you are from one side to the other. not cheap, quick and headaches free) $1000 - fishermen boat (slow. Unsafe? Bike gets covered in salt for 5 days) $600 - sailing boat (5 days cruise to the san blas islands. Expensive. But fun holiday overall) $1200
I went with the plane.
Where you ever afraid or unsafe? I’ve wanted to backpack through South America, but as a single woman I’m afraid of putting myself in a dangerous situation. It's completely understandable to be worried in that sense. What I can tell you is that there is nothing to worry about. There are women travelling solo in many ways (backpacking, cycling, motorcycle, etc) through south america and they are FINE! No problems. I can list you the "do and don't" about travelling, but I believe that having a bit of commons sense is crucial. If you look for female solo travellers on insta, you will find tons of them. I am sure that they can give you a better and more specific understanding of what entails to travel solo as a woman in third world countries. But again, DO NOT WORRY. It is SAFE.
the below is a reply to the above
I did it in Europe and Iceland, but South America makes me more weary. What about bringing children? Did it feel safe for kids? Also, when it came to your hostel stays, did you ever see any families? Kids will have a blast in SA! I met plenty of families travelling with kids. It is challenging because of the school thing but it is possible!! The internet and online classes nowadays...
People in SA are very family oriented and have special care for kids. It is an incredible experience for kids to see a reality like the one over there.
Hostels are not quite the best for kids, I admit it. You can find plenty of bnb alternatives and family rooms all over the continent. The same options are available all over the world (hostels, bnb, hotel, motel, apartments, etc).
I'm thinking of purchasing the same bike, is it the R model?. What made you choose this bike as opposed to something that is shaft driven? how did you find the chain maintenance aspect over so many miles? It's amazing there were no mechanical problems at all. Is there a specific brand tyre you use and how many miles would you get from a set? were there many puncturers or blowouts? Knowing what you know now, would you have changed anything with the bike or added something before beginning the journey? I ride the 1190 adventure NON R model. I prefer chain because it's sincerely I wouldn't want to find myself with broken shaft in the middle of Bolivia. Chain can last up to 40-50k km if well maintained and lubricated. It doesn't take much of your time and it helps reminding yourself that you have to take care of your bike too. I really loved Shinko 705 as tyres. Cheap and super grippy in all surfaces. I didn't have many punctures at all. Maybe 4 in the whole trip! Lucky!
Sincerely, this bike has been beyond perfect and I am still in awe by the reliability and performances of this machine. Kudos to KTM for making such a monstruos bike! If you are not into fast corners and putting your knee down in turns, the R model is actually better because of the customizable shocks. Mine comes with WP electronic suspensions which can't be replaced with others.
Hi Paolo, been a long time follower on Instagram (since South America). Great to see you on here! Initially when you went to work in Australia, did you receive a job offer before moving there, or did you find it once already settled? How come you still have residency in Australia when you've travelled the world for years? Have you ever received any sponsorships along your travels (E.g. from companies or Instagram itself)? If not, have you considered going down that route in order to support your continuous journey? Best of luck, and I look forward to see where the road takes you. Hey! Thanks for tagging along since such a long time!!
When I moved to Australia I didn't have a job. I spent the first months just looking for some temp gigs, while settling in that new country, at the time. It was crazy because in 2010 people here in Italy thought I went mad for leaving my safe job here, and moving to Australia with no job and as an immigrant. Turned out to be a good choice after all!
I have residency there because I am also a citizen there. Got my Australian passport in 2014.
I haven't received any sponsorship or any monetary endorsement from any companies through Instagram. I don't have enough followers I believe to be considered an "influencer".
the below is a reply to the above
It's always a pleasure tagging along. That's fantastic. I want to work in a different country but all of those I've looked at only allow a work permit if you have been offered work or have experience in specialised manager positions. And as far as I know, one cannot apply for jobs while on a tourist/visitor visa. How did you work around that? Amazing achievement to receive your Australian citizenship in just 4 years! Ah, I see. What a funny world we live in. I moved to Australia with a working holiday visa, which allowed me to work only for 6 months at the time for each employer. I started working for a recruitment agency and then got bought and hired by my other company, that eventually sponsored me for my residency.
How has your sex life been on the trip? Haha sorry, it does say ask me 'anything'. I guess what I'm saying more specifically is a lot of guys have a fantasy of doing exactly what you're doing and doing plenty of "socializing" in different countries no strings attached. Just wondering if your trip has been fun in that regard or if it's too difficult when staying in hostels etc I did answer this question already but I'll go into few details again. Travelling in hostels is good and bad. You meet a lot of people but there's no privacy. I tend to respect other people generally so I avoid having sex on bunk beds, bathrooms and stuff like that (which happened to me instead). Not the best to have your bed rattling and having to wear headphones with loud music, trying to get some sleep. Haha
Anyway, the main "issue" in travelling and socializing is that you always have to leave. So unless you go partying and go for the wild night...every night...it's not simple to get close to somebody, even in that sense.
Anyway, my sex life was definitely complicated, compared to the one I had when living in one fixed place in Australia.
Amazing. A question: were you an experienced bike rider before you set off on your trip, or did you decide to use a bike on a whim, and learned as you went? How much biking experience would you recommend to someone before they try a trip like this? Also, what are your thoughts about using a bike vs a car? With a car, you can sleep in the back, making accommodations cheaper, and maybe a bit more luxurious than a tent, but they're also larger, more unwieldy things that cost more to fuel and repair. Hey! I've been riding motorcycles since I was 14yo (even earlier). So I guess I was kind of an experienced rider, but I wasn't an experience long distance rider so... Not sure if it makes sense to you.
I met different people who recently learned how to ride, doing the same thing I was doing with small learner bikes. I mean, there are literally no limits on what can you do if you want to do it and just...do it, without thinking too much about it.
You know what they say... 4 wheels move the body, 2 wheels move the soul.
Have you been to the Philippines? If so what was your experience and opinion about the place? Nooo! but definitely want to go there!!! I have a lot of Filipino friends in Australia and they told me about some incredible places to visit!
Just out of curiosity, when you go across continents. Do you start saving up weeks beforehand since the tickets will cost more than your usual expenditure and not to mention shipping your bike as well? Hopefully I can meet you in real life someday! I'm from Hong Kong but just started learning Italian during the pandemic! Grazie mille! Kudos to you, my friend!! Learning Italian is quite the challenge! just know that even most italians can't speak proper italian, so you'll be fine once visiting the country! ;)
I've been living off my savings so I've been just crossing countries like that. no much planning. Just hop on the bike and go. Shipping of motorcycle only occurred from Australia to South America and from Canada to Ireland. First one was by shipping boat and second one was with Air Canada Cargo. Incredibly, flying was cheaper.
Did you ever wish you had a smaller bike? I‘ve wanted to ask this question for years, ever since I saw a Ewan McGregor travel show, “Long Way Around.” In Ewan’s journey, he used a large BMW 1150/1200, and he was always joking about how jealous he was of the little bike (Ural 500cc?) his friend eventually rode. Thanks in advance! Yes. I was wishing I had a smaller and lighter bike when I was riding on sand in Brasil or Australia. But then I was quite happy to have a 1200cc engine under my seat when I was going up on some 5000m mountains or during long 800km day rides.
I mean, there is no perfect bike... And there are pro and cons with any kind of bike.
You just have to pick yours and go with it!
Have you heard of the bike dog? The_bike_dog on insta Yes!! I follow him on Insta!! Amazing feed!
Where are you now and what are your next 5 countries on your list? Italy now! The next 5 up will depend on how covid behaves in the next few months.
Did you ever make it to New Zealand? If so what was you favourite place in NZ? If not, do you plan to in the future? I've been to new zealand but not with my motorcycle. It is one of my dreams to ride there though. After what I've seen...
Amazing! Are you going to cross Austria? We have Schnitzel and Apfelstrudel 😉 Ahah Austria is next on my list of countries to visit. I PROMISE! ...i mean, i ride a KTM!
Have you ever been attacked by locals? If so, what was the reason? The only locals that really attacked me were stray dogs in Chile. Hundreds of those in the streets. They get pretty hostile when in groups...and they aim at the wheels mostly. They chase you and bark at your ankles. Haha 50 meters of pure adrenaline
How do you arrange money for food and fuel? How do you see yourself living your old age given that you likely don't have enough savings for retirement.... to survive in your 50+ or retirement age? I already addressed the money factor, but I will answer to the second question. I see myself as an old man...living in a 4x4 campervan, parked on some remote beach in Australia, alone, maybe with a dog... Probably with an empty bank account and no big house, but a life full of memories and hopefully a better understanding of myself as a human being. You are only afraid to die if you haven't fully lived, mate!
What do you enjoy about this lifestyle? And what’s a typical day like for you? The best thing about this lifestyle is the freedom that comes with it. No alarms in the morning, nobody that tells you what to do, no schedules. Free.
I wake up, have coffee and a small bite while checking my social media. Then I look at the map to see where and which routes could be feasible for the day. Then i pack and ride off. Half way in i look for accommodations in the potential destination. When I get there i check around and see if i like it or not. If yes I stay, otherwise i move on to the next location. This is something that only travelling on a motorcycle can give you. Fast change of location, no traffic, easy stop and go, low visibility. Then i find my spot for the night, unpack and enjoy my daily meal. Usually fresh veggies or some local products. At night i rest or sometimes exercise a bit.
Great AMA! 1. Do you ever wish you were with someone, to not be alone in your experiences? Or maybe for people to tag along for a while? (A 2nd person all the time might be a bit much if you like being by yourself). I’ve travelled a little bit by myself and really enjoyed being alone, but sometimes afterwards you might want to talk about an experience with someone who was there with you. I found the freedom of being alone more important, but I’ve never travelled as long as you. 2. Do you ever think of a future where you want to settle down? Maybe wife, kids, and all that? Did your wishes about that change while on the road? Good luck to you! I have travelled with another rider and even a couple. Not for me. It is hard to find another person you get along with 100%, especially when you are used to have it your way for so long! Said this if you are a solo rider, travelling with a couple 2up, is complicated because they usually have different speed and needs. I prefer to not have a partner with me. It would change the overall experience and I wouldn't be able to be by myself in silence and have moments of absolute peace. You can't be in touch with yourself and embrace the change with another person constantly reminding you who you are and who you have to be. Unfortunately the downsides are sometimes the moments of loneliness...but again, I got used to it. And now i prefer it this way.
As far as family and settling down goes...i am 40 years old and most of my friends are married, with stable jobs and kids. So yeah, it's a constant reminder of my choice in life. But so far, i am happy with what I have done. It's a choice and I am aware of the consequences.
submitted by 500scnds to tabled [link] [comments]


2020.09.04 13:45 wagnerteixeira2 → Nuratrim Site Oficial [Depoimento, Valor, Resultados, Original]

→ Nuratrim Site Oficial [Depoimento, Valor, Resultados, Original]
Nuratrim Site Oficial
Nuratrim Site Oficial seca gordura ativando a Lipólise Natural, veja: Fórmula emagrecedora desenvolvida nos Estados Unidos (resultados comprovados)
Certamente com todos benefícios Nuratrim Site Oficial, O café verde ajuda a emagrecer porque tem a capacidade de absorver parte das gorduras ingeridas e também de controlar a absorção de açúcar pelo organismo.
As cetonas de framboesa têm um efeito termogênico no corpo, ou seja aceleram o metabolismo, aumentando o gasto de energia e ajudando a perda de peso.
Glucomanano Konjac é um inibidor natural que forma um gel no sistema digestivo que atrasa o esvaziamento gástrico, sendo excelente para combater a fome e a esvaziar o intestino.
Capsicum Atua no aumento da termogênese e no consumo de energia corporal, melhora o metabolismo energético do corpo e reduz o acúmulo de gordura corporal.
O alcaçuz reduz os desconfortos abdominais e mantém o funcionamento regular do intestino, o que beneficia a eliminação de toxinas durante a dieta e desintoxica seu organismo.

PERGUNTAS FREQUENTES

Tire Aqui Todas as Suas Dúvidas Rapidamente:

COMO DEVO USAR NURATRIM?
Cada frasco/pote contém 60 cápsulas, é recomendado tomar 2 cápsulas ao dia, uma antes do almoço e uma antes do jantar. Especialistas em nutrição e emagrecimento recomendam o uso de Nuratrim por no mínimo 3 meses para um resultado definitivo no seu corpo.
EXISTEM EFEITOS COLATERAIS DO NURATRIM?
Nuratrim não tem contra-indicações e não causa nenhum efeito colateral, por ser composto exclusivamente de ingredientes naturais, qualquer pessoa pode tomar e aproveitar seus benefícios. Entretanto, gestantes devem consultar um médico antes de iniciar o consumo.
QUAL É A COMPOSIÇÃO 100% NATURAL DO NURATRIM?
Ingredientes: Extrato de café verde, extrato de glucomanano Konjac, extrato de framboesa cetona, extrato de capsicum, extrato de alcaçuz: cápsula de gelatina, fosfato dicálcico.
COMO FUNCIONA O PAGAMENTO?
Aceitamos os cartões de crédito mais usados: visa, mastercard, através da plataforma de pagamento Monetizze. Não é possível parcelar no boleto bancário, pois no boleto é somente Avista. É possível parcelar somente no cartão de crédito em até 12x. É possível dividir em dois cartões de crédito diferentes.
QUAL É O KIT MAIS VENDIDO?
O kit mais vendido e o mais recomendado é o KIT com 5 potes com desconto máximo de 67%, isso porque recomendamos o uso por no mínimo 3 meses para um resultado excelente e com 5 meses você terá o resultado máximo que esse tratamento pode te oferecer.
O NURATRIM É APROVADO PELA ANVISA?
Sim, o nuratrim foi aprovado através de normas estabelecidas pelo RDC nº 27, de 6 de agosto de 2010, que dispõe sobre as categorias de alimentos e embalagens isentos, estando totalmente seguro para uso da população brasileira.
ESSE SITE É SEGURO?
Este site é 100% protegido contra recursos de má intenção. Suas informações pessoais são sigilosas segundo a nossa Política de Privacidade e a entrega é garantida! O nuratrim é vendido diariamente para pessoas de todo o Brasil.
SATISFAÇÃO GARANTIDA OU SEU DINHEIRO DE VOLTA
Se você não emagrecer em 30 dias, devolveremos o seu dinheiro, esse é o nosso compromisso com você.
É sério! Você fica Satisfeito(a), ou compramos o Nuratrim Site Oficial de volta de você!
Se por qualquer motivo achar que Nuratrim não ajudou, nós nos comprometemos em devolver a quantia paga pelo seu kit de potes Nuratrim.
Temos certeza que Nuratrim vai cumprir com o prometido, por isso nosso compromisso é uma garantia incondicional de 30 dias.
😞👉SITE FALOU TODA VERDADE Nuratrim Emagrecedor Original [Funciona, Valor, Antes e Depois]
submitted by wagnerteixeira2 to u/wagnerteixeira2 [link] [comments]


2020.09.04 00:39 SovietBear4 Um desabafo de um Servidor Público nestes dias sombrios.

Hoje, dia 3 de setembro de 2020 foi enviada ao Congresso o texto da reforma administrativa, que traz keywords lindos e chamativos como: enxugar a máquina, fim dos penduricalhos, modernização da máquina pública etc., no papel realmente é muito bonita a reforma, grandes melhorias, grandes economias, mais qualidade de serviço, menos privilégios e menos politicagem. A realidade: uma reforma que atinge a BASE do serviço público, a "tia da faxina", a cozinheira, o professor, o enfermeiro, o médico (médico não tem supersalário na ADM Pública, por isso muitas vezes são terceirizados pela falta de interesse de profissionais quando abre concursos), mas deixa de fora o Promotor (com 20 salários mais inúmeros benefícios), o Militar do Exército (que não tem muitos benefícios, tirando os Oficiais). A reforma visa o fim da ESTABILIDADE do servidor, essa vista como a grande vilã do serviço público, mas o que os gestores não dizem a população é que justamente por essa estabilidade que o servidor é blindado de muitas injustiças no ambiente de trabalho, muitas com viés político-eleitoreiro, o fim da estabilidade apenas trará de volta a política do apadrinhamento, do nepotismo, dos Guardiões do Crivella. Tl Dr: O servidor não é o inimigo, servidor publico pode sim ser demitido por mau comportamento, estabilidade é garantia de lisura no serviço publico sem interferência politica.

Deixo aqui uma prova de como a estabilidade protege o servidor de abusos:
https://www.youtube.com/watch?v=aiP5fC6HyiA
Sem a estabilidade como seria essa situação? Claramente o policial cederia aos desejos de sua chefe, contrariando a lei.
Defenda o serviço público brasileiro, nós trabalhamos para o Estado e a população e não para o governo. Exija de seus representantes dispositivos que modernizem processos que envolvem maus funcionários, nós também sofremos com eles. Mas não defendam o desmonte, pois sem o serviço público, uma nação tão desigual como a nossa se tornaria ainda mais desigual, nós fazemos o nosso melhor com o pouco que nos é disponibilizado, se você conhece um mau servidor, que dorme, rouba, se corrompe e mancha o nosso nome, denuncie. Mas não julgue o bom servidor, pois o bom não se curvará diante de injustiças, e serão estes os primeiros a sair se essa DEFORMA for aprovada do jeito que está. Modernizar não é destruir, sejamos conscientes, vamos defender a nossa Constituição. Obrigado para quem leu até aqui.

-Desabafo de um servidor que ama o Brasil e que apesar de todos os seus defeitos não se vê morando em outro lugar, e que têm orgulho de ostentar a bandeira nacional em seu uniforme.
Tl Dr: O servidor não é o inimigo, servidor publico pode sim ser demitido por mau comportamento, estabilidade é garantia de lisura no serviço publico sem interferência politica.
submitted by SovietBear4 to brasil [link] [comments]


2020.09.01 22:42 PiscoPingu Necesito sus ayudas urgentemente para salir de Chile

Les voy a contar brevemente, tengo un papá abusivo y decidimos ir de Chile a Asia(mi país origen)
Necesito saber los documentos para salir y tampoco se si puedo salir durante la pandemia de ahora. Me recuerdo que la ultima vez que me sali del pais necesitaba un firma de padre y madre para salir, pero eso fue cuando me fui solo a brasil y además fui menor de edad(todavia soy) pero voy ir con madre este tiempo.
Necesito saber que documentos necesito, requisitos y weas que tengo que llevar
Edit : no puedo especificar mi pais de origen, pero no es China
Edit 2 : acabo de cachar que tengo visa turistica y esta en proceso de "Solicitud de Permanencia Definitiva" igual necesito firma de los dos padres para salir?
submitted by PiscoPingu to chile [link] [comments]


2020.08.30 18:03 autotldr Internet users across the world report problems with accessing websites in major global outage

This is the best tl;dr I could make, original reduced by 22%. (I'm a bot)
Internet users across the world have reported connection problems in what seems to be a major global outage.
Generally speaking, the issues were being reported between 11am and 2pm.On ThousandEyes.com, which tracks outages worldwide, a significant spike was reported shortly before midday, with affected regions including the United States, Brasil, Britain, France, and Japan.
Web performance and security giant Cloudflare reported that they were aware of, and investigating an issue which potentially impacted 'multiple customers'.
They later posted an update saying: 'We have identified an issue with a transit provider which is causing 5xx class HTTP errors, such as HTTP 522, 502, 503.'This is affecting all data centers that make use of this transit provider and we are working on implementing mitigations to alleviate this issue.
A series of online games, including Roblox, Fifa, Red Dead Redemption II, Runescape and Grand Theft Auto V were reported to have issues earlier today.
Hundreds of outages were also reported for Visa, with PayPal also seeing its share of reported outages.
Summary Source FAQ Feedback Top keywords: reported#1 issue#2 outage#3 provider#4 transit#5
Post found in /worldnews.
NOTICE: This thread is for discussing the submission topic. Please do not discuss the concept of the autotldr bot here.
submitted by autotldr to autotldr [link] [comments]


2020.08.27 22:48 cien_anos_de_soledad o que está aberto em São Paulo durante a pandemia?

boa tarde,
I know this will seem like very strange question, but what exactly is open during the pandemic in São Paulo? And is there a mandatory quarantine for people entering the state? I understand there isn't one nationally, but I had previously read that some of the governors have made their own rules independent of Bolsonaro's administration.
My partner and I are unable to visit each other in our respective countries, but we both have visa free access to Brasil, so we are looking at meeting up in São Paulo in a couple weeks.
I just wanted to get an idea what is open and what is closed, as everything is open where I live (Canada) you just have to wear a mask.
obrigado por suas respostas!
submitted by cien_anos_de_soledad to brasil [link] [comments]


2020.08.20 16:30 DiChSz Nacionalidade para filho brasileiro nascido no estrangeiro e não registrado

É o seguinte: minha amiga é nascida na Suíça - filha de uma brasileira e um suíço - e nunca foi registrada na Repartição Consular brasileira.
Pela Constituição são brasileiros natos "os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasileira, desde que sejam registrados em repartição brasileira competente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela nacionalidade brasileira. "
Ela tem uma certidão de nascimento que ela mesma retirou em cartório - ou seja, não foi transcrita pelo Consulado:
Registro direto em cartório competente no Brasil
Os filhos de brasileiro(a) nascidos no exterior, cuja certidão de nascimento estrangeira tenha sido transcrita diretamente em cartório competente no Brasil, têm a confirmação da nacionalidade brasileira condicionada, após atingida a maioridade, às exigências de residência no Brasil e opção pela nacionalidade brasileira, a qual deverá ocorrer por meio de ação a ser ajuizada perante a Justiça Federal. O processo, chamado “opção de nacionalidade”, visa somente confirmar o desejo de manter a nacionalidade brasileira, e não representa renúncia a quaisquer outras nacionalidades. Após atingida a maioridade, a condição de nacional ficará suspensa enquanto a opção pela nacionalidade brasileira não for efetuada.
Fonte: http://www.portalconsular.itamaraty.gov.bbrasileiros-natos
Eu entendo que posso ajuizar essa ação de jurisdição voluntária requerendo o reconhecimento da nacionalidade brasileira para ela. Porém eu sei que ela nunca de fato tomou residência no Brasil. Isso é um impeditivo? Alguém aí já fez esse procedimento e pode me dar uma ajuda?
Enfim, qualquer ajuda é muito bem vinda.
Agradeço.
submitted by DiChSz to direito [link] [comments]


2020.08.18 21:22 uszeraj Stripe iniciando no Brasil

Acabei de receber o e-mail. Havia me cadastrado há anos.
Olá,
Muito obrigado pelo seu interesse na Stripe! Estamos felizes em convidá-lo para ser uma das primeiras empresas a usar a Stripe no Brasil.
Você pode criar sua conta aqui:
[redacted]
Com sua conta Stripe, você poderá aceitar instantaneamente os cartões de crédito Visa e Mastercard. Porém, como usuário inicial da Stripe no Brasil, observe que certos recursos ainda não estão disponíveis. Por exemplo, atualmente você pode cobrar clientes em qualquer moeda, porém só é possível liquidar em uma conta bancária local em Reais (BRL). Também estamos trabalhando ativamente para ampliar as opções de pagamento no Brasil, como Boletos, cartões Elo, Amex e cartões de débito, mas não as suportamos no momento.
Tirando estas restrições, todos os nossos serviços estão prontos para produção e estáveis para uso em transações ativas de seus negócios.
Para começar a aceitar pagamentos, você ou seu desenvolvedor precisará integrar a Stripe ao seu site ou usar um plug-in ou integração de terceiros, o que você pode fazer usando nosso guia "Introdução" e a documentação da API: https://stripe.com/docs https://stripe.com/docs/api
Nosso preço para usuários no Brasil é de 3,99% + R $ 0,50. Depois da configuração inicial, as transferências chegam à conta bancária após 30 dias de forma contínua. Veja mais detalhes em: https://stripe.com/bpricing
Gostaríamos de receber seu feedback quando você começar a usar a Stripe. Se você encontrar algum problema ou tiver solicitações de recursos, por gentileza, informe-nos. A melhor maneira de entrar em contato conosco é enviando uma mensagem da sua conta da Stripe: https://support.stripe.com/email/login
Ficamos à disposição para ajudar com qualquer dúvida enquanto está começando com a Stripe.
Estamos ansiosos para trabalhar juntos!
Abraço! A equipe Stripe
submitted by uszeraj to investimentos [link] [comments]


2020.08.07 00:36 linshc [PESQUISA TRANSCULTURAL] Crenças, atitudes e comportamentos em relação ao COVID-19

Olá, amigos!
Gostaria de solicitar a participação de vocês neste estudo que visa melhor compreender as crenças, atitudes e comportamentos das pessoas em relação ao surto de COVID-19. Este estudo está sendo desenvolvido em mais de 35 países (e.g., Estados Unidos, França, Reino Unido, Alemanha), e apresentarmos dados do Brasil auxiliaria a melhor entendermos as respostas psicológicas ao COVID-19 no nosso contexto.
Para participar, basta clicar no link abaixo. A pesquisa dura em torno de 15-20 minutos, dependendo da condição que você for direcionado. Qualquer dúvida, basta entrar em contato. Agradecemos MUITO!
Link: http://formr.psysciacc.org/formpsacr-pool-portuguesebrazilian
Qualquer dúvida, nós estamos à disposição para ajudá-lo.
Agradecemos desde já!
Atenciosamente,
Gabriel Lins e Colaboradores
submitted by linshc to coronabr [link] [comments]


2020.08.06 20:46 Cassio_3xceler Como funciona a recontratação de funcionários em menos de 90 dias por causa da pandemia? ContReal

Como funciona a recontratação de funcionários em menos de 90 dias por causa da pandemia? ContReal

Contabilidade em São Paulo ContReal
Pagamento via WhatsApp retoma testes para ser regularizado

Banco Central autorizou os testes de pagamento via whatsapp, mas a ferramenta ainda não está autorizada a operar comercialmente.

Quarenta dias depois de ter sido suspenso no Brasil, o serviço de pagamentos do WhatsApp voltou a ser testado no país. O Banco Central (BC) autorizou os testes, mas disse que isso não significa que a ferramenta já tem permissão para operar comercialmente no Brasil. Segundo a autoridade monetária, o processo de regulação continua. Os testes com o serviço de pagamentos do WhatsApp foram retomados pela Visa. A empresa informou que teve “autorização do Banco Central para realizar testes com novos participantes no ambiente do WhatsApp”, o que considera “um passo importante para continuar aperfeiçoando esse modelo de pagamento e inserir mais parceiros no projeto”. Mas destacou que “ainda não poderá realizar operação comercial na plataforma”.

Testes

Em nota publicada nesta segunda-feira, 3, o BC confirmou a autorização para os testes da Visa. Mas alertou que “esses testes não podem envolver a realização de qualquer transação real com usuários e não podem movimentar valores reais em qualquer montante”.
A autoridade monetária lembrou que o pedido do WhatsApp, da Visa e da Mastercard de operarem uma solução de pagamentos digitais que parte do aplicativo de mensagens “continua sendo analisado conforme os procedimentos e prazos-padrão utilizados com outros pleitos”.
O BC garantiu que está trabalhando para “concluir essa análise o mais rápido possível, de modo a logo recepcionar os novos participantes no sistema de pagamentos, com a devida segurança quanto à saudável competição e à segurança de dados dos usuários.”

Suspensão

O serviço de pagamentos do WhatsApp foi lançado no Brasil em meados de junho. Porém, logo depois foi suspenso pelo Banco Central. À época, o BC argumentou que a ferramenta já nascia com milhões de usuários. Por isso, precisava passar pela mesma trilha de aprovação dos demais integrantes do sistema de pagamentos brasileiros para comprovar que é segura e competitivo.
O processo tem contado com o apoio do WhatsApp, cujos executivos chegaram a se reunir com a diretoria do BC para apresentar os detalhes desse arranjo de pagamentos. A Visa também disse que segue “à disposição e contribuindo com o regulador para que a inovação esteja liberada em breve, beneficiando indivíduos, empresas e economias em geral.” Já a Mastercard deve se manifestar sobre os questionamentos do BC nos próximos dias, segundo a autoridade monetária.
Fonte: Contábeis
Conheça a ContReal
A SERVIÇOS CONTÁBEIS REAL, atualmente a Rua Engenheiro Prudente, nº 465, Vila Monumento – São Paulo, nasceu em 1978, através da união dos Sr. LUIZ FERNANDO ALVES DE LIMA, e Sr. CARLOS MARIJAS, já colegas de trabalho no ramo de Contabilidade em São Paulo, com o intuito empreendedor de constituir uma empresa de SERVIÇOS CONTABEIS, diferente das existentes até então, mais ágil, profissional e comprometida com os interesses de nossos clientes. E foi assim ao longo dos mais de 40 anos que imbuídos desta filosofia, aliada a constante busca pela atualização e melhorias dos serviços através da tecnologia e inovação chegamos onde estamos.
Site: https://www.reddit.com/usecassiodpg/comments/i4dgac/como_funciona_a_recontrata%C3%A7%C3%A3o_de_funcion%C3%A1rios_em/
submitted by Cassio_3xceler to u/Cassio_3xceler [link] [comments]


2020.08.06 20:37 cassiodpg O novo normal dos pagamentos: as transações por WhatsApp estão voltando?

O novo normal dos pagamentos: as transações por WhatsApp estão voltando?

Contabilidade em São Paulo ContReal

Pagamento via WhatsApp retoma testes para ser regularizado

Banco Central autorizou os testes de pagamento via whatsapp, mas a ferramenta ainda não está autorizada a operar comercialmente.

Quarenta dias depois de ter sido suspenso no Brasil, o serviço de pagamentos do WhatsApp voltou a ser testado no país. O Banco Central (BC) autorizou os testes, mas disse que isso não significa que a ferramenta já tem permissão para operar comercialmente no Brasil. Segundo a autoridade monetária, o processo de regulação continua. Os testes com o serviço de pagamentos do WhatsApp foram retomados pela Visa. A empresa informou que teve “autorização do Banco Central para realizar testes com novos participantes no ambiente do WhatsApp”, o que considera “um passo importante para continuar aperfeiçoando esse modelo de pagamento e inserir mais parceiros no projeto”. Mas destacou que “ainda não poderá realizar operação comercial na plataforma”.

Testes

Em nota publicada nesta segunda-feira, 3, o BC confirmou a autorização para os testes da Visa. Mas alertou que “esses testes não podem envolver a realização de qualquer transação real com usuários e não podem movimentar valores reais em qualquer montante”.
A autoridade monetária lembrou que o pedido do WhatsApp, da Visa e da Mastercard de operarem uma solução de pagamentos digitais que parte do aplicativo de mensagens “continua sendo analisado conforme os procedimentos e prazos-padrão utilizados com outros pleitos”.
O BC garantiu que está trabalhando para “concluir essa análise o mais rápido possível, de modo a logo recepcionar os novos participantes no sistema de pagamentos, com a devida segurança quanto à saudável competição e à segurança de dados dos usuários.”

Suspensão

O serviço de pagamentos do WhatsApp foi lançado no Brasil em meados de junho. Porém, logo depois foi suspenso pelo Banco Central. À época, o BC argumentou que a ferramenta já nascia com milhões de usuários. Por isso, precisava passar pela mesma trilha de aprovação dos demais integrantes do sistema de pagamentos brasileiros para comprovar que é segura e competitivo.
O processo tem contado com o apoio do WhatsApp, cujos executivos chegaram a se reunir com a diretoria do BC para apresentar os detalhes desse arranjo de pagamentos. A Visa também disse que segue “à disposição e contribuindo com o regulador para que a inovação esteja liberada em breve, beneficiando indivíduos, empresas e economias em geral.” Já a Mastercard deve se manifestar sobre os questionamentos do BC nos próximos dias, segundo a autoridade monetária.
Fonte: Contábeis
Conheça a ContReal
A SERVIÇOS CONTÁBEIS REAL, atualmente a Rua Engenheiro Prudente, nº 465, Vila Monumento – São Paulo, nasceu em 1978, através da união dos Sr. LUIZ FERNANDO ALVES DE LIMA, e Sr. CARLOS MARIJAS, já colegas de trabalho no ramo de Contabilidade em São Paulo, com o intuito empreendedor de constituir uma empresa de SERVIÇOS CONTABEIS, diferente das existentes até então, mais ágil, profissional e comprometida com os interesses de nossos clientes. E foi assim ao longo dos mais de 40 anos que imbuídos desta filosofia, aliada a constante busca pela atualização e melhorias dos serviços através da tecnologia e inovação chegamos onde estamos.
Site: https://contreal.com.bo-novo-normal-dos-pagamentos-as-transacoes-por-whatsapp-estao-voltando/
submitted by cassiodpg to u/cassiodpg [link] [comments]


2020.08.05 15:22 Togelonline123 Togelonline Shanghai Ilegal Di Cina

Togelonline Shanghai Ilegal Di Cina

Togelonline Shanghai Ilegal Di Cina Tidak Ada Perjudian Yang Diizinkan


https://preview.redd.it/qpoahnlzo6f51.jpg?width=750&format=pjpg&auto=webp&s=c22201125524bb24588c800793fca9fcf13a402e
Togelonline – Togelonline Shanghai Di perjudian masih ilegal di Cina, sama sekali tidak ada perjudian yang diizinkan. Nol Itu sebabnya Anda tidak pernah melihat orang menaruh uang, pada permainan mahjong, catur, catur, kartu, dadu, pertarungan kriket, balap e-sepeda atau pasar saham di Shanghai. Tetapi mewujudkan optimisme manusia yang buta, adalah cara yang bagus untuk mengumpulkan uang untuk tujuan amal.
Pemerintah mengizinkan (dan menjalankan) dua praktik perjudian. Berjudi karena menurut hukum Tiongkok itu bukan judi, itu hanya permainan. Dijalankan oleh Pusat Penerbitan Togel Kesejahteraan Tiongkok, banyak Togel telah berjalan di Cina sejak tahun 80an. Seperti Togel barat, Togel Tiongkok digunakan sebagai penggalang dana untuk dana kesejahteraan sosial negara, termasuk bantuan bencana dan pekerjaan kesejahteraan.
Jackpot mendapatkan cukup tinggi sebenarnya dalam jutaan RMB. Dan kemungkinan Anda menang Benar-benar hebat. Dua permainan utama yang tersedia di Cina adalah Togel Olahraga China dan Togel Kesejahteraan Cina. Dan selama Anda berusia di atas 18 tahun dan memegang visa yang valid, orang asing diizinkan mengambil sebagian uang merah itu.

DiMana Saya Bisa Bermain Togelonline Shanghai

Online, tentu saja (meskipun tidak begitu baru-baru ini), tetapi juga di toko-toko pinggir jalan. Yang terakhir ini lebih mudah untuk penutur non-Cina, karena Anda dapat mengarahkan jari Anda pada hal-hal dan mendengus. Selain itu, untuk itulah Anda ada di sini! Keringat, tatapan sayu, detak gugup dari rekanmu yang mencari keberuntungan.
Secara statistik jika tinggal di antara Xujiahui dan People’s Square, setidaknya tempat membeli Togel dalam jarak tiga blok dari Anda. Togel Kesejahteraan sebagian besar diiklankan di toko-toko kecil dengan tanda-tanda seperti. Togel Olahraga biasanya di toko-toko kecil, pusat komando kecil yang didedikasikan untuk seni memprediksi permainan. Mereka terlihat seperti ini di luar.
Baca Juga : Game Togel Online Cara Meningkatkan Peluang Kemenangan
Di dalam, mereka terlihat seperti, gubuk taruhan. Banyak layar, dinding yang belum dicuci bertahun-tahun, tumpukan kertas yang tidak bisa dipahami. Saya mencoba mengambil gambar, mereka tidak senang dengan hal itu benar-benar legal.

Togel Kesejahteraan

Gim termudah untuk dimainkan dalam Togel Kesejahteraan adalah Bola Warna Ganda yang dimainkan tiga kali seminggu. Anda memilih enam angka merah antara 1 dan 33, dan kemudian satu angka biru dari 1 hingga 16. Anda dapat memiliki mesin yang mencetak slip untuk memilih angka untuk Anda, atau Anda dapat mengambilnya sendiri. Tiket terlihat seperti ini.
Setiap untaian tujuh angka berharga 2rmb, dan pengundian berlangsung pada pukul 21:15 pada hari Selasa, Kamis dan Minggu malam. Jackpot adalah semua enam bola merah dan bola biru datang, dalam hal ini kemenangan Anda maksimal 5 juta rmb. Yang terbesar berikutnya adalah jika Anda mendapatkan semua 6 bola merah.
Pemenang membagi seperempat pot di antara mereka, dengan kemenangan kembali dibatasi pada 5 juta rmb. Setelah 5 bola merah (atau 4 merah dan satu biru), 4 bola merah (atau 3 bola merah dan yang biru). Yang 10rmb dan akhirnya hanya bola biru, itu adalah 5rmb sangat sedikit.

Togel Olahraga

Togel olahraga memiliki banyak permainan, seperti Super Lotto. Pilih lima angka dari 35 opsi dan dua angka tambahan dari kumpulan 12. Seperti Double Color Ball setiap slip adalah 2rmb, dan itu juga diambil tiga kali seminggu. Pada hari Senin Rabu dan Sabtu, pukul 8.30 malam. Tapi ada banyak pilihan menang; misalnya, ada empat kemungkinan kombinasi yang akan memberi Anda kemenangan minimum 5rmb.
Daya tarik sebenarnya dari Togel Olahraga adalah bertaruh pada olahraga. Lihat situs web togelonline.to yang didedikasikan sepak bola dan bola basket, untuk mengetahui banyak liga internasional yang bertaruh termasuk NBA.
Ini cukup mudah. Sebagai contoh, katakanlah kita bertaruh di Piala Dunia. Di halaman sepak bola untuk pertandingan yang akan datang, kami punya kekacauan yang membingungkan ini.
Prosedur termudah adalah hanya menebak hasil pertandingan. Tulis kode numerik permainan (dalam kasus pertandingan teratas, 053), nama tim tuan rumah (Brasil). Lalu tulis apakah menang menggambar atau kalah. Kecuali Anda memainkan odds yang ditandai dan, pemain harus bertaruh pada setidaknya dua pertandingan.
Beri tahu mereka seberapa besar Anda ingin bertaruh per tiket, (satu tiket dapat menampung beberapa permainan dan semuanya harus dihidupkan). Pembayaran bisa dengan uang tunai atau WeChat, dan orang di toko akan mencetak tanda terima yang terlihat.
Ledakan Anda sudah siap. Tonton pertandingannya kembali dan kumpulkan kemenangan Anda, ditertawakan oleh orang-orang di toko taruhan karena memasang 40rmb. Mereka sekelompok yang keras, tetapi hati mereka ada di tempat yang tepat.
submitted by Togelonline123 to u/Togelonline123 [link] [comments]


2020.07.31 17:37 blondiesimmer Can I enter the UK after being removed from the US in the past? I know they share immigration data... pls read details

Hi, I’m a Brazilian citizen, in Brasil now, and would like to enter the UK this month as a tourist just to do the quarantine, to be able to enter Italy - my final destination, where I have an invitation letter, ticket, reservations and all paperwork) I will also have an invitation letter of the person that will receive me in the UK for the 2 weeks. Problem is that one year and a half ago I had my entry to the United States denied. At the airport they canceled my tourist visa and sent me back to Brazil, cause they checked my phone and messages and thought I was working there. Since UK and US share immigration info, what happened to me means that UK will also deny my entry immediately and automatically Or I have chance to enter as a tourist proving all the paperwork, financial situation, flights and everything that Italy is my final destination? I’ve been to London in 2013 with my mom as a tourist, for just 3 days. Never overstayed in my travels and also never stayed illegal in the US. Always had a valid visa. Do you think I have a chance of entering UK as a tourist for these 14 days? Any advice will be incredible appreciated.
submitted by blondiesimmer to ukvisa [link] [comments]


2020.07.28 15:33 opencorporation1 FINANCIAL SERVICES: the OpenCorporationRanking

FINANCIAL SERVICES: the OpenCorporationRanking submitted by opencorporation1 to u/opencorporation1 [link] [comments]


2020.07.28 04:12 assis96 Porque eu acredito que o Esperanto será a língua internacional do futuro

O Esperanto é uma língua artificial criada pelo médico oftamologista Lázaro Luiz Zamenhof e nascida no ano de 1887 pela publicação do livro "Internacia Lingvo". Zamenhof nasceu na cidade de Bialystok, atualmente na Polônia, mais especificamente próximo a fronteira onde hoje se encontra a Bielorrusia, Lituânia e Kaliningrado (território russo). Ele era judeu, seu pai era professor de alemão e francês, em razão do meio social e geográfico, desde pequeno conviveu com várias línguas: iídiche, russo, polonês, alemão, hebraico, francês. Lázaro tinha inclinação e facilidade em aprender línguas, cresceu em um ambiente onde problemas de comunicação, preconceito linguístico e étnico eram uma constante. Nesse contexto, sentiu-se impelido a buscar uma solução para esses conflitos por meio da criação de uma língua nova, neutra, fácil e democrática.
Apesar de eu não ser um falante do Esperanto, nem ter contacto com esperantistas, sei que há inúmeros estudos de conceituados linguistas que apresentam pontos tecnicamente favoráveis ao ensino e difusão do Esperanto como língua viável para ser adotada pela comunidade internacional. Se não fosse assim, ele não seria a língua planejada mais falada do mundo e a ONU nem teria recomendado em 1985 sua difusão entre seus países-membros. Esse artigo não visa apresentar a viabilidade do Esperanto do ponto de vista técnico linguístico, visa sim mostrar a possibilidade real da materialização do sonho esperantista no mundo tendo como base a História, a evolução da cultura ética-moral dos povos e a revelação espírita.
Antes de avançarmos na argumentação é preciso ter em conta que estou escrevendo em português, em uma rede social relativamente popular no mundo ocidental e em um canal de comunicação onde o inglês é dominante. Bem provável, os leitores desse artigo podem ser caracterizados como pessoas esquisitas (em inglês WEIRD, sigla em referência a pessoas western, educated, industrialized, rich and democratic) que não retratam a ampla realidade social do mundo. Inevitavelmente sou ocidental, tenho acesso a educação superior, estou integrado em uma sociedade industrializada e nativo brasileiro, apesar dos pesares, um país rico e ainda democrático. A verdade é que não conhecemos de fato o mundo todo, o que a gente pensa que sabe do mundo é muito pouco e extremamente deturpado do que realmente é o nosso planeta. Por mais que tenhamos acesso a internet e programas que falem como é a vida dos outros povos e países, não podemos dizer que sabemos com propriedade como é a vida e cultura dos outros povos e países. O mundo é bem mais complexo e diverso do que a gente imagina, são inúmeras religiões, tradições, línguas, climas, histórias, economias, políticas, filosofias, etc. Queremos refletir sobre uma língua que se aplique no mundo como um todo e não apenas no lado ocidental, para pessoas WEIRD.
Agora posso começar a explicar "Porque eu acredito que o Esperanto será a língua internacional do futuro". Primeiro, vamos nos basear na História, hoje a língua internacional é o inglês, mas em outras épocas poderíamos considerar o latim e o grego. O paradigma materialista econômico aceito pela maioria dos homens permite a qualquer país ou nação que se tornar mais influente, mais forte e dominante, submeter as demais nações ao julgo de sua cultura e consequentemente de sua língua. É claro que o mundo nunca antes em sua História esteve tão globalizado e internacionalizado como nos dias de hoje, nesta singularidade dos nossos tempos são as nações de língua inglesa as detentoras de grande poder na política mundial, por isso o inglês está sendo a língua internacional mais forte e em melhor opção para se estabelecer em definitivo como língua global. Todavia, precisamos ampliar nossa visão de tempo e aprender com a História. Não podemos pensar no futuro considerando apenas os últimos 150 anos de glória das nações anglo-saxãs. Por mais que estes últimos 150 anos de nossa história sejam os mais intensos e impactantes no globo como um todo, o futuro ainda está em aberto, rapidamente pode ocorrer uma inusitada mudança de ordem política-econômica-cultural.
Se voltássemos no tempo há 2000 anos e discutíssemos sobre qual seria a língua internacional do futuro, um cidadão do império romano muito provavelmente não diria ser o Inglês. Quem visse o império romano de dois milênios atrás dificilmente poderia imaginar que hoje ele estaria em ruínas. Por que não poderíamos aplicar esse exemplo nos dias de hoje? Todos os impérios que passaram pelo planeta tiveram seu tempo de nascer, crescer, atingir um ápice, declinar e morrer. O império consolidado pelas línguas inglesas seriam uma exceção? Uma língua que se propõe a ser duradoura e "universal" deve se associar ao mundo das ideias primeiro antes do mundo físico. O mundo físico é transitório, efêmero, está em constante mudança. O mundo das ideias é imperecível, você pode matar um homem, mas não consegue matar uma ideia. Foi essa essência ideológica forte que fez o cristianismo se estabelecer hoje a religião com maior número de adeptos no mundo. Eu comparo os esperantistas de hoje como os cristãos do século II, 133 anos depois da morte de Jesus de Nazaré na cruz. No século II, poucas pessoas levavam o cristianismo a sério, ele era uma minoria, a maioria dos homens e nações de fama do século II não apostariam nas imensas proporções e desdobramentos que o cristianismo seria capaz de acarretar no futuro da humanidade. Por que hoje, no segundo século do nascimento do Esperanto poderíamos duvidar do potencial dessa nova ideologia?
Lembramos do cristianismo e agora para ilustrar o problema da evolução ética-moral da cultura dos povos, vamos pensar na cultura Islã. Não podemos pensar no mundo ignorando a cultura do islamismo, os muçulmanos são tão expressivos numericamente quanto os cristãos, há projeções estatísticas que indicam uma ultrapassagem do Islã ao cristianismo em número de adeptos até o fim deste século. O Islã tem preferência pelo idioma árabe, isso em virtude do Alcorão, seu livro sagrado, ter sido revelado pelo profeta Maomé em árabe e também pela beleza sonora de se ouvir a declamação dos textos contidos no Alcorão no idioma original. A cultura dos países de predomínio muçulmano também possui forte influência do idioma árabe. Muito dos valores morais dos países de predomínio do idioma inglês são bem diferentes e até mesmo antagônico aos valores morais da cultura árabe, sem falar dos recorrentes conflitos políticos entre as nações desses dois mundos linguísticos diferentes. Sabendo dessas hostilidades históricas, da expansão de ambas as culturas, como conciliar por parte dos muçulmanos a supremacia internacional do inglês ao árabe ou vice-versa?
A evolução ética-moral da cultura dos povos mostra que século após século o homem avança um pouco mais no desenvolvimento de suas leis, de seus costumes, de seus conhecimentos e culturas. A Declaração do Direito dos Homens é um exemplo, a valorização das mulheres e o combate ao preconceito racista outro exemplo de avanço da mentalidade humana. A evolução do conceito de Justiça é a alavanca ética-moral dos povos e com base nessa ideia o Esperanto ganha força e tem destino promissor. O Esperanto não é apenas uma língua planejada, o Esperanto representa uma filosofia, um modo de pensar, um estilo de vida que tem como objetivo principal não ter supremacia em relação a outras filosofias, línguas e estilos de vida, mas sim colaborar com a fraternidade entre os povos e nações do mundo todo por meio de uma comunicação em língua neutra. Muitos podem dizer que a língua Inglês, ou qualquer outra língua, também busca colaborar com a paz na Terra e fraternidade entre os homens, não duvido dessa intenção, mas há um problema intrínseco nessa boa intenção que fere o conceito de orgulho dos homens e quando o orgulho dos homens é ferido dificilmente há fraternidade. Todos nós temos orgulho, querendo ou não, não gostamos de nos sentir ou pensar que valemos menos do que os outros, na verdade os seres humanos não devem ser vistos como inferiores ou superiores uns aos outros, mas sim como seres únicos, como "fim em si mesmo" nos dizeres do filósofo Kant. Da mesma forma vejo as línguas, elas também expressam os indivíduos e povos, cada língua deve ser vista como um "fim em si mesmo". O Esperanto não fere a dignidade de nenhum povo justamente porque ele não está associado a nenhum povo ou país em específico, o Esperanto é mais despersonalizado, mais neutro do que qualquer outra língua, por isso poderia melhor colaborar com a fraternidade entre os homens.
Por fim, mas não menos importante, ressaltamos o caráter da revelação espírita em aprovação e consonância com a difusão do Esperanto. Sem pretensões, posso dizer que tenho um pouco mais de conhecimento de causa do Espiritismo, afinal nasci e cresci em família espírita e também sou bem integrado ao movimento espírita de minha cidade. Emmanuel, um dos principais espíritos responsáveis pela divulgação do Espiritismo no Brasil, juntamente com o médium Chico Xavier, em várias mensagens reforça o valor do Esperanto e incentiva seu estudo. Não só Emmanuel, mas vários outros espíritos nobres por meio de diversos médiuns respeitáveis dos mais variados lugares do mundo e em vários momentos diferentes desde o nascimento do Esperanto em 1887 são coerentes em acreditar no projeto esperantistas para solução dos problemas de comunicação entre os povos.
O Espiritismo defende a ideia da evolução moral e espiritual do planeta Terra, atualmente viveríamos em período de transição entre duas fases claramente distintas, de maneira geral, estaríamos saindo do estágio de mundo de provas e expiações (onde há predominância do mal sobre o bem) para o estágio de mundo de regeneração (onde o homem teria mais consciência da necessidade de viver a fraternidade). O Espiritismo diz que nesse terceiro milênio a humanidade estaria predestinada a viver a sua regeneração e, para tal período, os espíritos responsáveis pela condução deste processo já teriam definido e legitimado o Esperanto como a língua do estágio de regeneração. Mesmo havendo espíritas encarnados que não levem a sério o Esperanto, muitos inclusive gostariam que houvesse uma retratação por parte das instituições espíritas que defendem a difusão do Esperanto, a contragosto os espíritos desencarnados guias do Espiritismo continuam acreditando e convocando os homens ao ideal esperantistas de fraternidade. Em síntese, esses espíritos superiores dizem que não é conveniente para o período de regeneração da Terra a apropriação de um idioma (inglês, por exemplo) contaminado por impressões deletérias desagregadoras devido o seu uso em ações de domínio cultural, político e econômico. Esses guias da humanidade, mereceriam nossa consideração em razão de possuírem uma visão liberta da transitoriedade do mundo material, mais ampla e nítida da realidade dos fatos, diferente de nós, encarnados, que temos a visão embotada pelos preconceitos.
Enfim, diante do exposto, digo com tranquilidade, com segurança e esperança: O Esperanto será a língua internacional do futuro! Digo isso não porquê sou espírita e os espíritos também acreditarem nisso. Digo isso porquê vejo lógica e razão em acreditar nisso. Quando será esse futuro? Isso não sou capaz de precisar, mas arriscaria dizer que esse futuro seja daqui uns 200 anos, quem sabe? 200 anos na história da humanidade é logo ali.
submitted by assis96 to Esperanto [link] [comments]


2020.07.26 22:13 ber_ni159 14-day Schengen Rule, German student in need of hell🇩🇪🙏🏼

Hey guys,
I’m a German citizen and have a valid J1-Intern Visa. I‘m legally allowed to enter the US. Although, I have to spend 14-days prior my entry to the US outside the Schengen Zone, UK, China, Brasil and Ireland.
Do you guys have any recommendation about which country would be save for a 14-day „vacation“ and also allow me for following entry to the US by plane.
Thank you so much! 🙏🏼
submitted by ber_ni159 to immigration [link] [comments]


2020.07.23 20:37 Paralityk24 How to renew netflix with turkish subscription?

I have a problem. I used to pay in turkish lira via revolut card for about 2 years but made a mistake of changing virtual card to Visa and netflix no longer accepts new revolut cards :P. But that's neither here or there.
My problem is than now when I try to renew my sub from "turkey" it shows price in USD. When I go for exmaple to Brasil (another cheap-ish netflix country) it shows correct Brasilian Real. But when I go to turkey it's USD again... How do I go back to Turkish Lira and their price :)?
It was about 2 months since my turkish sub has ended and I've been going for shady reditbay accounts :[. So it's not about letting my sub expire and trying again.
submitted by Paralityk24 to NetflixViaVPN [link] [comments]


2020.07.23 10:52 diplohora Bruno Rezende : meus estudos para o CACD Parte IV - SUGESTÕES DE LEITURAS pt5 PI

INGLÊS
Para todos os idiomas, recebi boas recomendações do site http://uz-translations.net/.
Não tenho bibliografia a sugerir, até mesmo porque não estudei Inglês por nenhum livro ou coisa parecida. Se precisar de sugestão de bibliografia, de Gramáticas etc., veja o Anexo II abaixo.
Já recebi recomendações das seguintes páginas na internet:
· http://dictionary.cambridge.org/
· http://englishtips.org/
· http://esl.about.com/od/advancedenglish/Learning_English_for_the_Advanced_Level_ESL_E FL_Advanced_English.htm
· http://owl.english.purdue.edu/owl/
· http://www.bartleby.com/
· http://www.dictionary.com
· http://www.englishclub.com/gramma
· http://www.natcorp.ox.ac.uk/
· http://www.synonym.com/
· http://www.wordpower.ws/grammagramch26.html
POLÍTICA INTERNACIONAL

>> TEORIAS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

- Introdução às Relações Internacionais (Jackson e SØrensen): se você não é graduado em Relações Internacionais, ou se não está familiarizado com o assunto, pode ser importante a leitura desse livro, que dá uma noção bem geral de Teoria de Relações Internacionais (TRI). Acredito ser importante saber alguma coisa de teoria não apenas porque é o primeiro item da relação de conteúdos exigidos no Guia de Estudos de Política Internacional e porque, frequentemente, aparecem questões sobre isso na primeira fase (de forma bem básica, é verdade), mas também porque você adquire importantes ferramentas para complementar uma resposta na prova de Política Internacional da terceira fase (nem que seja para “enrolar” um pouco; questões de terceira fase sobre teoria não são comuns). No Manual do Candidato: Política Internacional (tanto no do Demétrio Magnoli quanto no da Cristina Pecequilo), há breve parte inicial que trata dessas teorias de maneira bem superficial. O Jackson/SØrensen é bem mais completo que os manuais, mas os conhecimentos necessários de teoria para o CACD não vão muito além do básico. Além disso, prefira ler o Jackson/SØrensen ou os manuais a ler os próprios autores de TRI. Além de perder muito tempo, o entendimento completo e correto das obras nem sempre é um trabalho fácil, e o livro e os manuais já trazem tudo resumido e bem “mastigado”. Se tiver um pouco mais de tempo, recomento o Jackson/SØrensen. Se não tiver, os manuais devem servir para alguma coisa. Outra possibilidade é
o livro 50 Grandes Estrategistas das Relações Internacionais (Martin Griffiths), também útil. O livro é dividido por corrente teórica (apresenta Realismo, Liberalismo, Teoria Crítica, Escola Inglesa, Pós-Modernismo, Feminismo, entre outros) e faz bons resumos sobre o pensamento de vários autores de TRI. Entre o Griffiths e o Jackson/SØrensen, eu ficaria com o último, mas o primeiro também pode ser útil, e cito-o aqui para o caso de alguém já o ter. Também recebi recomendações do Teorias de Relações Internacionais, de João Pontes Nogueira e Nizar Messari, mas não sei se é bom (est disponível para download no “REL UnB”). De qualquer modo, não se atenha a muitos detalhes. Tudo o que você precisa saber de TRI deve caber em um resumo de uma ou duas páginas. Atente, apenas, aos aspectos/conceitos mais gerais de cada corrente e aos principais autores.

>> DEMAIS TEMAS

- Política Internacional Contemporânea: Mundo em Transformação (org. Altemani e Lessa): é um livro bem pequeno e de caráter (excessivamente) introdutório. Bem tranquila a leitura, dá para ler de uma vez só. Para aqueles que estão começando os estudos, recomendo como leitura inicial. Para os já iniciados ao assunto, o livro é extremamente superficial. Para quem já começou os estudos há algum tempo, acho que apenas o capítulo 4 (sobre integração europeia17) pode ser de alguma utilidade.
- O Mundo Contemporâneo (Magnoli): já citado acima. Fornece algumas bases de História Mundial necessárias à compreensão de diversos aspectos da Política Internacional. Indispensável.
- Manual do Candidato: Política Internacional (Demétrio Magnoli): já citado em História Mundial.
- Manual do Candidato: Política Internacional (Cristina Pecequilo): deixados de lado os muitos erros de Português e as frases sem sentido ou sem fim, gostei bastante da leitura. É bem abrangente, fala de alguns tópicos importantes e não cobertos pelo restante da bibliografia que eu havia lido até então. Se possível, leia este manual antes de começar a ler as demais obras de política internacional, mas já sabendo que ele deixa muitos itens do edital de fora (especialmente os temas da agenda internacional do Brasil e algumas temáticas de relações bilaterais; quanto às demais partes, estão quase todas no livro – de maneira introdutória, é claro). Reitero que se trata de leitura de caráter meramente introdutório. Sugiro usar como base, para buscar aprofundamentos em determinados temas, segundo os tópicos previstos no Guia de Estudos (para isso, além de todas as obras disponíveis e indicadas aqui, os artigos publicados na RBPI, no Mundialistas, no Meridiano 47 e no Mundorama podem ser de grande utilidade). Se você já estiver familiarizado com a parte de TRI, comece a ler do capítulo 2 em diante (o capítulo 1 é só sobre TRI e sobre interpretações do pós-guerra fria).
Considero os próximos quatro livros (História da Política Exterior do Brasil, Inserção Internacional e Relações Internacionais do Brasil: Temas e Agendas vol. 1 e 2) os mais fundamentais para as provas de Política Internacional (e de História do Brasil também). Depois de algumas leituras iniciais (como as indicadas acima), sugiro ler esses quatro “livros sagrados”, tomando notas do que for mais importante. Como já disse anteriormente, não fiz muitos fichamentos por causa de restrições de tempo, mas fiz questão de fichar esses quatro, o que me foi muito útil nas revisões para a primeira e para a terceira fases do concurso.
17 Atenção para as modificações mais recentes, como as adesões de Romênia/Bulgária e o Tratado de Lisboa, não contemplados no capítulo.
- História da Política Exterior do Brasil (Amado Cervo e Clodoaldo Bueno): já citado em História do Brasil. Indispensável tanto em História do Brasil quanto em Política Internacional (para Política Internacional, o principal período a ser estudado é a partir de 1945; para História do Brasil, é o livro todo mesmo).
- Inserção Internacional (Amado Cervo): leia o livro todo. Às vezes, é um pouco repetitivo, mas os argumentos do Cervo são bem claros, e é um livro bem informativo. Leitura importante, rápida e tranquila. Os conteúdos do livro são, quase sempre, cobrados na terceira fase, de alguma maneira. Anote os pontos principais, podem ser úteis argumentos para as provas discursivas de Política Internacional e de História do Brasil.
- Relações Internacionais do Brasil: Temas e Agendas – volume 1 (org. Altemani e Lessa): os dois volumes são importantíssimos para as provas do CACD. Fiz fichamento dos dois e revisei minhas anotações várias vezes, antes das provas. É interessante complementar os dados fornecidos por esses livros com as informações disponíveis no “Resumo Executivo”, a ser tratado posteriormente. Se estiver sem muito tempo, pule os capítulos 2 e 3. Nos outros, há coisas boas e coisas ruins (alguns são mal escritos, com muita “enrolação”), mas acho que vale a pena a leitura de todos, mesmo que bem rápida em algumas partes (focar, é claro, nas relações entre o Brasil e as regiões tratadas nos capítulos e discriminadas no Guia de Estudos), à exceção dos capítulos 10 e 11, que considerei inúteis.
- Relações Internacionais do Brasil: Temas e Agendas – volume 2 (org. Altemani e Lessa): assim como o volume 1, é muito importante e indispensável para o CACD. Minha sugestão é ler todos os capítulos integralmente, à exceção dos discriminados a seguir:
- Cap. 3 - O início do capítulo tem muita “viagem” para nenhuma substância nova. Ler apenas do item 3.3.3 (pág. 114) em diante (antes disso, ele apenas define regimes e enrola em coisas que quem já conhece Teoria das Relações Internacionais já está cansado de ouvir; se você não conhece, leia o capítulo inteiro mesmo).
- Cap. 9 - fraquíssimo, não acrescenta praticamente nada. Procure no Google algo didático sobre a criação do Ministério da Defesa e sobre o Sivam que você ganha muito mais.
- Cap. 11 - texto fraco, a leitura não vale a pena.
- Cap. 12 a 14 – é, pura e simplesmente, Análise das Relações Internacionais do Brasil (é bem superficial também). Se você cursou a matéria ou se já está familiarizado com o assunto, eu recomendaria não ler e dar apenas uma olhada no material da disciplina para a terceira fase. Não é um tema muito recorrente no CACD (embora possa cair de maneira “disfarçada”, e ter conhecimento desses aspectos da matéria pode render-lhe bons argumentos na terceira fase, dependendo da questão). Se você não conhece a temática, talvez valha a pena a leitura, com grande ressalva para o “talvez”. Pode valer mais a pena pegar um resumo bom da matéria e dar uma olhada ligeira e sem muito compromisso. Para resumos dos textos da matéria tal como é dada na UnB, acesse o “REL UnB”. De todo modo, se tiver tempo, a leitura desses capítulos pode não ser em vão.
- Cap. 15 - desinteressante e escapa ao conteúdo do CACD; leitura desnecessária.
Em resumo, minha sugestão para o Temas vol. 2 é: ler apenas os capítulos 1, 2, 3 (do item 3.3.3 em diante), 4 a 8 e 10.
- O Conselho de Segurança após a Guerra do Golfo (Antonio de Aguiar Patriota) – muito boa obra sobre a atuação do Conselho de Segurança. Curto e de fácil leitura (a obra está disponível para download no “REL UnB”).
- Cooperação, Integração e Processo Negociador: a construção do MERCOSUL (Alcides Costa Vaz): li para uma matéria na universidade e achei tão chato que me prometi que nunca o leria novamente. Não recomendo. Se quiser saber mais sobre o MERCOSUL, há muita informação útil no site do bloco, que consultei bastante em meus estudos: http://www.mercosul.gov.b; http://www.mercosur.int/.
A seguir, alguns livros que me indicaram, mas não li.
- A Construção da Europa (Antonio Carlos Lessa)
- A Nova Ordem Global: relações internacionais do século XX (Paulo Fagundes Vizentini): não o li, mas há diversos materiais sobre o livro disponíveis na Internet, caso queira dar uma olhada: http://educaterra.terra.com.bvizentini/
- Estocolmo, Rio, Joanesburgo: o Brasil e as três Conferências Ambientais das Nações Unidas (André A. C. do Lago) – disponível para download no “REL UnB”. Importante sobre o histórico de participação do Brasil nessas conferências, mas não tive tempo de ler. A grande limitação da obra é que os aspectos mais importantes da posição brasileira recente foram definidos após Joanesburgo. De todo modo, pode ser útil como apanhado histórico (importante para a primeira fase).
- Repertório de Política Externa (MRE): está disponível na Biblioteca virtual da FUNAG (http://www.funag.gov.beditoresolveUid/eaa9aea4398a55cd58d939764685cd22). Trata das diretrizes da política externa brasileira em relação a diversos temas. É necessário, obviamente, conferir, no Guia de Estudos, o que é importante para o concurso e o que não é. O livro é uma compilação de discursos referentes a temas de política externa proferidos por líderes brasileiros. Por essa razão, a leitura pode parecer chata e desinteressante para alguns. Não o li exatamente por isso, mas o incluo nessas recomendações para o caso de alguém se interessar por ele. Acho que há fontes mais práticas e que vão direto ao ponto quanto às questões mais importantes nas relações com determinados países e nos posicionamentos acerca de determinados temas (como os livros “Temas e Agendas”, citados acima, o “Balanço de Política Externa” e o “Resumo Executivo”, citados abaixo, e alguns artigos publicados na RBPI, no Mundialistas, no Mundorama e no Meridiano 47).
- The Globalization of World Politics (org. John Baisley): não o li, mas, segundo recomendações, é boa fonte de estudos, com bom desenvolvimento do tópico de teoria das Relações Internacionais.
- União Europeia: História e Geopolítica (Demétrio Magnoli)
- Coleç~o “O Livro na Rua”, da FUNAG – pequenos livros sobre diversos assuntos de política internacional. A coleção está disponível para download no “REL UnB”.

>> ATUALIDADES

Fique por dentro de todas as reuniões de que o Brasil participou recentemente (principalmente, no último ano antes da prova). Tratados assinados e ratificados, envolvimento do país nas organizações internacionais, evolução recente das organizações e dos grupos de países dos quais o Brasil faz parte (atenção especial para as integrações na América do Sul – destaque para o MERCOSUL e para a UNASUL – e para determinados grupos, como IBAS, BRICS, BASIC, G-20 comercial, G-20 financeiro etc.), participação do país na solução de conflitos (em operações de paz, em missões de assistência humanitária etc.), promoção de cooperação técnica etc. Conhecer como andam as relações entre o Brasil e os principais países para a política externa do país é, também, fundamental (conforme o Guia de Estudos, atenção para Argentina, América do Sul, EUA, União Europeia, França, Inglaterra, Alemanha, África, China, Japão, Índia, Rússia, Oriente Médio18) – não precisa decorar tudo, obviamente, mas ter uma ideia de como andam as relações com essas regiões é importante (“o comércio Brasil-China é superavitrio ou deficitrio para o Brasil?”, “qual é o maior parceiro comercial do Brasil na África?”, “quais as principais parcerias realizadas entre Brasil e África?”, esse tipo de coisa). Além disso, atenção à participação do Brasil nos grandes temas da agenda internacional (conforme o Guia de Estudos, atenção a: multilateralismo, desenvolvimento, combate à fome, meio ambiente, direitos humanos, comércio internacional, sistema financeirob internacional, desarmamento e não proliferação, terrorismo, narcotráfico, reforma da ONU, cooperação Sul-Sul). Por fim, é, ainda, necessário saber um pouco do que aconteceu de mais importante no cenário internacional, no último ano (especialmente, o que envolver o Brasil).
18 Esses dados podem ser encontrados no “Resumo Executivo” da política externa brasileira de 2003-2010, que será descrito mais à frente. Além disso, a página do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC - http://www.mdic.gov.bsitio/) também tem muita informação importante.
Eu sei que isso é muito geral e há muita coisa aí, mas é preciso atentar, especialmente, aos principais encontros e reuniões ocorridos e aos assuntos mais importantes para os principais temas da agenda internacional (principalmente os que envolvam o Brasil, ou os que sejam de grande relevância, como os conflitos no Oriente Médio, por exemplo). Enfim, pode parecer muita coisa (e, realmente, é bastante coisa), mas não é tanto quanto se imagina à primeira vista. Não sei se há alguma utilidade prática em ler coisas como o Almanaque Abril, por exemplo, talvez seja mais útil acompanhar alguns artigos da Revista Brasileira de Política Internacional (RBPI) ou de revistas como o Mundorama e o Meridiano 47. O “Resumo Executivo”, descrito abaixo, pode cobrir bem toda a parte de 2003 a 2010, e sua tarefa fica restrita ao que aconteceu de 2010 para cá, o que já é bom começo. Fique atento ao último volume da RBPI publicado antes da terceira fase do concurso que você for fazer, pois há boas chances de que algo relativo a essa temática seja cobrado (isso também vale para a prova de Direito da terceira fase, caso haja algum artigo sobre temas de Direito Internacional). Último conselho quanto a isso é: não é porque o concurso está próximo (ou, mesmo, porque a primeira fase já aconteceu) que você pode se desligar dos acontecimentos mundiais. Na prova da terceira fase de 2010, por exemplo, havia uma questão sobre a CELAC, criada em uma cúpula internacional de fevereiro daquele ano, quando até mesmo a segunda fase do concurso já havia ocorrido. Em 2011, o conflito na Líbia, ainda em curso quando da realização da prova, foi objeto de questão ampla sobre as consequências do confronto.
Para acompanhar as notícias internacionais, há diversas fontes, mas nem todas são muito úteis para o concurso. Se você quiser ler Foreign Policy e The Economist, por exemplo, para treinar o Inglês, acho que pode ser útil. Cuidado, apenas, para não se desligar muito dos estudos, entretidos sobre os resultados das eleições no Gabão (que, com certeza, não serão cobrados no concurso). Não acompanhei as notícias com muita frequência ou com um ritual rotineiro. Eu lia, de vem em quando, algumas notícias aqui e ali, uma entrevista, um vídeo no YouTube19 etc., mas nada muito detido ou aprofundado, eu nem tinha tempo para isso. Os fact sheets do Laboratório de Análise de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (LARI) podem ser ótima fonte de estudos para atualidades internacionais. Para quem é de Brasília, há encontros periódicos de discussão desses temas. Para ter acesso aos fact sheets e para ser informado das reuniões do LARI, você pode cadastrar-se no grupo Yahoo “LARI – UnB” (http://br.groups.yahoo.com/group/lari_unb/). Os fact sheets antigos estão disponíveis no arquivo do grupo.
Na página do MRE, muitos recomendam a seleção diária de notícias, mas parece que a página está com problemas ultimamente. Acho que a melhor fonte de “notícias” e de atualidades sobre a política externa brasileira para quem está estudando para o CACD está também no site do MRE: as Notas à Imprensa (http://www.itamaraty.gov.bsala-de-imprensa/notas-a-imprensa/view) e os discursos, artigos e entrevistas de autoridades governamentais sobre política externa (http://www.itamaraty.gov.bsala-de-imprensa/discursos-artigos-entrevistas-e-outras- comunicacoes/view). Na página das Notas à Imprensa, é possível fazer busca por tema (e.g. BRIC), que retorna as últimas comunicações referentes ao tema buscado, o que é ótima fonte de informação sobre as principais temáticas concernentes à atuação da política externa brasileira recente. Várias notícias e artigos interessantes são enviados para alguns grupos de emails do Yahoo, como “CACD IRBr” (http://br.groups.yahoo.com/group/cacdirb) e “Dilogo Diplomtico” (http://br.groups.yahoo.com/group/dialogodiplomatico/”). Cadastre-se!
Agora, a dica de ouro para estudar a política externa brasileira nos últimos anos. O MRE publicou, recentemente, o “Balanço de Política Externa – 2003-2010”. Eu até diria que valeria a pena selecionar os temas mais importantes e estudá-los, se o arquivo total não tivesse quase 900 páginas. Melhor que isso: h um “Resumo Executivo” (43 pginas), que é um resumo de praticamente tudo o que é preciso saber sobre evolução recente da política externa brasileira. É muita informação útil, e aconselho tirar as principais informações do texto (sempre de olho no Guia de Estudos) e montar tabelas, mapas mentais, resumos, qualquer coisa que ajude a gravar (principalmente para a terceira fase). Leia quantas vezes puder. Especialmente para o item “16. A agenda internacional e o Brasil” do Guia de Estudos, sugiro a leitura do próprio “Balanço de Política Externa” (somada a alguns aprofundamentos em temas específicos; faça uso dos artigos disponibilizados em algumas páginas especializados, como “RBPI”, “Mundialistas”, “Mundorama” e “Meridiano 47”, entre outros), uma vez que o “Resumo Executivo” é um pouco pobre nesses assuntos (atenção especial para as partes “Temas da Agenda”, “Segurança Alimentar”, “Reforma da Governança Global”, “Negociações Comerciais”, “Cooperação Internacional” e “Assistência Humanitria”). O “Resumo Executivo” est disponível para download no “REL UnB” (juntamente com o “Balanço de Política Externa”, tanto na vers~o completa quanto nas versões individuais de suas diversas partes).
19 Alguns canais do YouTube, como o da América Latina-Jazeera, têm boas reportagens sobre política internacional.
Juntando os quatro “livros sagrados” citados acima, o “Balanço de Política Externa”/“Resumo Executivo” e uma atualizaç~o quanto aos acontecimentos recentes, é bem provvel que boa parte das questões de Política Internacional do CACD (na primeira e na terceira fases) seja respondida. Obviamente, sempre haverá algo que vai ficar de fora, e apenas leituras adicionais de notícias e de atualidades e buscas pontuais em diversas fontes poderão ajudar. Sempre que há temas muito importantes para a política externa brasileira, alguém de prestígio costuma escrever um artigo a respeito (inclusive o próprio Ministro das Relações Exteriores). Além disso, os discursos sobre alguns temas específicos proferidos pelo Ministro, pelo Presidente da República ou pelo representante brasileiro em algum fórum multilateral, por exemplo, podem ser facilmente encontrados na internet. No site do MRE, as Notas à Imprensa de visitas oficiais, por exemplo, são, de modo geral, abrangentes e informativas. Mais uma vez, é necessário conferir, no Guia de Estudos, o que pode ser cobrado (tanto para relações bilaterais quanto para participação em organizações internacionais). Não precisa estudar a Nota à Imprensa de eventual visita do Ministro ao Sri Lanka e coisas do tipo. Acho que vale a pena acompanhar os últimos acontecimentos por esses meios. De todo modo, a bibliografia aqui descrita visa, apenas, a dar uma visão ampla acerca dos grandes temas cobrados nas provas. É preciso ter consciência de que, por mais preparado que você esteja, é muito provável que sejam cobradas algumas coisas que você não sabe na íntegra. Sabendo, pelo menos, algo mais geral, é possível tentar inferir as respostas corretas e aprofundar a discussão em diversos aspectos, e isso é, a meu ver, o mais importante no concurso.
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.07.23 10:36 diplohora Bruno Rezende : meus estudos para o CACD Parte III – A PREPARAÇÃO INTRODUÇÃO pt 10 a 3ra fase do CACD

Em primeiro lugar, lembro uma coisa muito simples: terceira fase não é segunda fase. Você não precisa se preocupar com propriedade vocabular, vírgulas antes de orações subordinadas reduzidas de infinitivo e coisas do tipo. É óbvio que não vale escrever completamente errado também, mas o que eu quero dizer é que a banca da terceira fase nem sabe das exigências da segunda fase direito, então não precisa se preocupar tanto com aspectos formais da escrita. Obviamente, a necessidade de ter uma tese central e alguns argumentos que a comprovem de maneira coerente permanece, mas isso não é novidade para ninguém. A importância do aspecto formal da terceira fase não está nas palavras e nos termos de uma oração, mas na sequência lógica de argumentos.
Algo bastante importante nas provas de terceira fase é destacar um argumento central, uma tese que responda à questão e que lhe permita apresentar exemplos/construções teóricas e desenvolver argumentos que a comprovem. Nessa situaç~o, vale a velha “fórmula” de dissertaç~o: introdução (com a tese central), argumentação (com uma ideia central por parágrafo, com argumentos que comprovem sua tese central) e conclusão (com retomada da tese e com articulação dos argumentos apresentados). Não há um número ideal de parágrafos, vale o bom senso (evitar parágrafos com apenas uma frase ou excessivamente grandes, mas não é necessário que tenham quase o mesmo tamanho, por exemplo, como ocorre na segunda fase).
Evite juízos de valor muito expressivos. Obviamente, tudo o que você escreve contém um pouco de subjetividade, mas evite adjetivações excessivas e algumas construções, como “é importante ressaltar que…”, “vale lembrar que...” ou “fato que merece destaque é…”.
Evite listagens longas e/ou imprecisas. Por exemplo: se você não se lembra de todos os países que fazem parte de determinado grupo, ou se eles são muitos, evite citações de todos os países (na verdade, não sei por qual motivo alguém iria querer citar os membros de um grupo assim, mas vai que precisa de algumas linhas de “enrolaç~o”, não é?). Ex.: “A UNASUL é composta por Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela”.
Preferir: “A UNASUL é composta pelos doze países latino-americanos (à exceção da Guiana Francesa)” ou “A UNASUL é composta pelo agrupamento dos membros do MERCOSUL e da CAN, acrescidos do Chile, do Suriname e da Guiana”. Quanto a imprecisões, evitar, por exemplo: “A UNASUL é composta por Brasil, Argentina, Venezuela, entre outros”. Se você n~o se lembra de todos ou se o número de países é relativamente grande para citar todos, opte ou pelas alternativas anteriormente apresentadas ou, pelo menos, por algo como “Na UNASUL, destacam-se o Brasil – por sua dimensão territorial, por sua população e por seu peso político-econômico –, a Argentina – importante mercado emergente, com forte setor agrícola voltado à exportação e com indústria diversificada – e a Venezuela – detentora de recursos naturais estratégicos e grande exportadora de petróleo”.
Evite, também, citações e menções excessivas. Elas não devem constituir a base de sua resposta. Excesso de citação de eventos pode ser um problema. Obviamente, citar datas, conceitos e períodos é fundamental, mas o problema começa quando essas referências ocupam frases inteiras, sem argumentação e sem sequência lógica de relações. Veja os Guias de Estudos antigos, para ter uma noção do tipo de resposta preferido pela banca. O importante é não exagerar, para o texto não ficar carregado de informações que, ainda que úteis, não sustentam a tese que responde à questão de maneira consistente. Para conceitos menos conhecidos, convém citar a fonte (de todo modo, ainda que certos conceitos, como “Estado normal”, sejam consagrados na literatura sobre política externa brasileira, dizer que “o país entrou, assim, no período que Amado Cervo define como ‘Estado normal’” me parece boa estratégia – até porque o próprio Amado Cervo já foi da banca corretora vez ou outra; o José Flávio Sombra Saraiva é outro que tenho certeza de que irá adorar ver seu nome mencionado em uma resposta).
Algo bastante útil é evitar criar (e cair em) armadilhas. Se você sabe, por exemplo, que o Pacto Andino foi firmado em 1969, mas não tem certeza se a organização aí criada já se chamava Comunidade Andina de Nações, por exemplo, opte por uma formulação de resposta que evite comprometer-se quanto a isso. Uma sugest~o seria, por exemplo: “Firmado em 1969, o Pacto Andino consubstanciou importante passo para a criaç~o da Comunidade Andina de Nações (CAN)”. Desse modo, você evita incorrer no erro de atribuir ao Pacto a responsabilidade pela criação da CAN, sem deixar de destacar sua importância para que isso ocorresse posteriormente. Evite, também, conceitos “politicamente incorretos” ou em desuso, como “governo neoliberal” (preferir “governo associado aos princípios do Consenso de Washington”, por exemplo), “país subdesenvolvido” (preferir “país de menor desenvolvimento relativo”, por exemplo) etc.
Para boa parte dos argumentos a ser empregados na terceira fase, a leitura atenta e o fichamento das melhores respostas dos Guias de Estudos anteriores podem ajudar bastante. Eu tive um professor de cursinho, o Ricardo Macau, que gostava de dizer que o intuito de fichar os Guias de Estudos era, simplesmente, roubar argumentos. Ninguém precisa inventar novos argumentos, para tentar “chocar” a banca. Se a banca publica um Guia de Estudos anualmente, dizia ele, é para mostrar a todos os candidatos o que ela queria ler como resposta naquela questão e o que ela quer ler nas respostas dos concursos dos anos seguintes. Dessa maneira, não há nenhum constrangimento em fichar os principais argumentos das provas dos anos anteriores e em usá-los nas questões pertinentes da terceira fase. Alguns desses argumentos foram muito úteis para mim, especialmente nas provas de História do Brasil, de Política Internacional e de Direito.
Uma coisa que pouca gente fala é que os Guias de Estudos nem sempre são cópias fidedignas das respostas dos candidatos. A organização do concurso entra em contato com os autores das respostas selecionadas e solicita que os próprios autores digitem suas respostas. Os candidatos podem fazer eventuais alterações pontuais de algumas imprecisões, mas alguns poucos acabam exagerando. Para quem está se preparando para o concurso, não poderia haver nada pior, já que não podemos ter uma noção exata de qual tipo de resposta foi avaliado como suficiente pelos examinadores (por saber que era possível alterar, eu sempre ficava em dúvida: será que ele/ela ganhou essa nota escrevendo tudo isso mesmo?). J vi gente dizendo que “quem consegue fazer as melhores respostas deu sorte, porque fez mestrado ou doutorado no assunto, pelo menos”, e isso é completa mentira. O que ocorre é que essas pessoas souberam conjugar estudo eficiente e capacidade de desenvolvimento analítico diferenciada que sejam convertidos em uma argumentação clara e consistente. Para isso, não tem mestrado ou doutorado que adiante. Em algumas questões, você sente ser capaz de escrever o dobro ou ainda mais sobre aquele assunto (principalmente, nas questões de 60 linhas), mas o que mais conta, no fim das contas, é a forma, o modo como você organiza suas ideias, os argumentos de que você faz uso etc.
Na prova de História do Brasil, alguns temas são mais ou menos recorrentes. Definição das fronteiras nacionais, política externa do Império, política externa dos governos Quadros-Goulart (Política Externa Independente), política externa dos governos militares (especialmente, Geisel), relações do Brasil com a América do Sul (destaque para as relações Brasil-Argentina desde o século XIX), relações do Brasil com a África (do período da descolonização até a década de 1980). Obviamente, há inúmeros outros temas (bastante pontuais às vezes) que também são cobrados, mas eu acho que, se eu tivesse só uma semana, para estudar tudo de História do Brasil, eu escolheria esses temas. Ainda que eles não sejam cobrados diretamente, podem ser encaixados em muitas outras questões.
A prova de Inglês consiste de uma tradução do Inglês para o Português (valor: 20 pontos), de uma versão do Português para o Inglês (valor: 15 pontos), de um resumo de texto em Inglês (valor: 15 pontos) e de uma redação sobre tema geral (valor: 50 pontos). As notas de Inglês são, geralmente, bem mais baixas que as das demais provas, o que, considerando que boa parte dos candidatos que chega à terceira fase tem alguma experiência no domínio avançado da língua inglesa (acredito eu), é claro sinal de que a cobrança é bastante rigorosa, e apenas conhecimentos básicos da língua não são suficientes.
Quanto à tradução e à versão, não tenho muito a dizer. Há dedução de 1,00 ou de 0,50 pontos (dependendo do tipo de erro) do valor total do exercício para cada erro de tradução13. O vocabulário cobrado nem sempre é muito simples (um ou outro termo pode ser mais complicado), mas, em geral, não há muitos problemas. Normalmente, as notas da tradução são bem maiores que as notas da versão. Um pequeno “problema” nas traduções e nas versões é o seguinte: o examinador escolhe, tanto nas traduções para o Português quanto nas versões para o Inglês, algumas expressões que ele quer, obrigatoriamente, que o candidato use determinados termos que correspondam àquela palavra ou expressão na outra língua. Assim, por exemplo, se há o termo “vidente”, para ser traduzido para o Inglês, e se o examinador escolheu essa palavra, para testar os candidatos, você ser penalizado, se tentar dizer isso com uma express~o como “a person who foresees” ou coisa do tipo. Se o examinador, entretanto, não houver escolhido essa palavra como teste, você poderá não perder nenhum ponto por isso. O maior problema é que, obviamente, você não sabe quais são as expressões que serão escolhidas enquanto faz a prova. Pode ser que uma expressão para a qual você não conhece a tradução exata não seja uma das escolhidas pelo examinador, e dizer a mesma coisa de outra maneira (com uma frase ou com uma expressão mais longa que exprima o mesmo sentido) pode não implicar penalização. Enfim, não há como saber isso antecipadamente, então a melhor alternativa é, sempre, a tradução o mais fidedigna possível. De toda forma, se não souber, aí não tem jeito, invente alguma coisa, pode ser que seja aceita. Só nunca, nunca, deixe um espaço em branco, pois isso atrai os olhos do examinador, e ele saberá que já tem algo faltando ali. Mesmo que você não tenha nenhuma ideia do que alguma coisa signifique ou de como traduzir, invente palavras, crie sinônimos que não existem, faça qualquer malabarismo linguístico que estiver a seu alcance, só não deixe espaços em branco. Como os examinadores corrigem mais de duzentas provas (números de 2010 e de 2011), pode ser que alguns erros acabem passando despercebidos.
13 Segundo o Guia de Estudos: menos 1,00 pontos por falta de correspondência ao(s) texto(s)-fonte, erros gramaticais, escolhas errôneas de palavras e estilo inadequado; menos 0,50 pontos por erros de pontuação ou de ortografia. Apesar dessa previsão no Guia de Estudos, a banca também tem considerado, nos últimos concursos, que também se subtraem 0,50 pontos por erro de preposição, ao invés de 1,00 pontos.
O resumo do texto em Inglês costuma surpreender alguns candidatos com baixas notas. A atribuição de pontos é feita de acordo com uma avaliação subjetiva que considera várias coisas: quantidade de erros, abrangência de todos os pontos selecionados pelo examinador como os mais importantes do texto etc. Não é necessário incluir exemplos no resumo, que deve, com suas palavras, abranger todos os principais temas discutidos no texto, seus argumentos e sua linha de raciocínio (os temas e os argumentos podem ser apresentados na ordem que você considerar mais interessante, não é necessário seguir a ordem do texto). No resumo, não se emite opinião sobre o texto, e n~o é necessrio dizer “o autor defende”, “segundo o autor” (em Inglês, obviamente). Como se trata do resumo de um texto, é evidente que tudo o que está ali resume as opiniões do autor. Não é necessário fazer uma introdução e uma conclusão, você perderá muito espaço, e não é esse o objetivo do resumo. Seja simples e direto, acho que é a melhor dica.
O comando indica um máximo de 200 palavras, mas eles não contam. Já vi professores dizendo para que os alunos fizessem, obrigatoriamente, entre 198 e 200 palavras, mas, se você buscar os Guias de Estudos anteriores, verá que há resumos que fogem a esse padrão (para baixo ou para cima) e que foram escolhidos como o melhor resumo daquele ano. É claro que você não vai escrever 220 palavras, mas acho que umas 205, mais ou menos, estão de bom tamanho (escrevi um pouco mais de 200, acho que 203, não sei). A professora do cursinho de terceira fase dizia que podíamos fazer até cerca de 210 (desde que a letra não fosse enorme, para não despertar a curiosidade do examinador) que não teria problema. É claro que o foco deve estar nos 200, esse valor superior é apenas para o caso de lhe faltarem algumas palavras, para encerrar o raciocínio.
Em 2011, os 15,00 pontos do resumo foram divididos em duas partes: 12,00 pontos para a síntese dos principais aspectos do texto e 3,00 pontos para linguagem e gramática. O examinador determinou que havia seis tópicos principais do texto que deveriam ser incluídos no resumo e atribuiu até dois pontos para a discussão de cada um desses tópicos. Obviamente, não há como saber quantos serão esses tópicos. O melhor a fazer é tentar tratar de todos os aspectos mais importantes do texto com o mínimo possível de palavras. Se sobrarem 10 ou 15 palavras, não desperdice, faça uma frase a mais, quem sabe isso pode lhe render alguns preciosos décimos a mais.
A redação em Inglês é de 45 a 60 linhas, com valor de 50 pontos. Esses 50 pontos são distribuídos em: planejamento e desenvolvimento (20 pontos), qualidade vocabular (10 pontos) e gramática (20 pontos), com penalização de 1,00 ou de 0,50 pontos por erro, de acordo com o tipo de erro14 (descontados da parte de gramática). Nota zero em gramática implica nota zero na redação (logo, cuidado para não zerar). Há penalização de 1,00 pontos para cada linha que faltar para o mínimo estabelecido.
Normalmente, a redação trata de temas internacionais de fácil articulação. Não há recomendações de número de parágrafos, de número de linhas por parágrafo ou coisa do tipo. As principais coisas a observar são: ter uma tese central, usar argumentos que a sustentem, e, sobretudo, fornecer exemplos. Ao ver espelhos de correção de concursos anteriores no cursinho, fica evidente que muitas notas de planejamento e desenvolvimento são mais baixas devido à ausência ou à insuficiência de exemplos, como indicam os comentários dos examinadores em provas anteriores (a prova de Inglês é a única da terceira fase que vem com comentários e com marcações). Eu diria, portanto, que é necessário prestar atenção na argumentação coerente que comprove a tese, é claro, e no fornecimento de vários exemplos que sustentem a argumentação apresentada. É claro que só listar dezenas de exemplos pode não adiantar nada, mas, se você souber usá-los de maneira coerente, como complemento à argumentação, acho que poderá ser bem recompensado por isso. Ao contrário do que já vi dizerem por aí, não há penalizaç~o por “ideologia” discrepante daquela da banca. Aproveitando a temática da prova de 2001, não interessa se você é contra ou a favor da globalização, o importante é elencar argumentos fortes e sustentá-los com exemplos pertinentes.
14 Segundo o Guia de Estudos, menos 1,00 pontos por erro (exceto para erros de pontuação ou de ortografia, para os quais há subtração de 0,50 pontos). Apesar dessa previsão no Guia de Estudos, a banca também tem considerado, nos últimos concursos, que também se subtrai 0,50 pontos por erro de preposição, ao invés de 1,00 pontos.
Por fim, a parte de qualidade vocabular não se refere só ao uso de construções avançadas de Inglês (inversões, expressões idiomáticas etc.). De nada adianta usar dezenas de construções avançadas, se você tiver muitos erros de gramática. Os 10 pontos de qualidade vocabular levam em consideração tanto o número de construções avançadas que você usou quanto o número de erros de gramática que você teve. Ainda que você use poucas construções avançadas, se não errar nada de gramática (ou se errar muito pouco), sua nota nesse quesito deverá ser bem alta. Dessa forma, acho que o melhor a fazer é preocupar-se, primeiramente, com gramática. Uma pequena lista de expressões idiomáticas passíveis de se empregar, combinada com o uso de construções mais avançadas (como inversões, por exemplo), já pode significar boa nota de qualidade vocabular, se você não perder muitos pontos de gramática. Não vou dizer quais usei, senão todo mundo vai usar as mesmas e ninguém vai ganhar pontos. Usem a criatividade: vejam expressões diferentes, palavras conotativas apropriadas, verbos e palavras mais “elaborados” etc.
Em resumo, acho que o principal da redação é: errar pouco em gramática e fornecer exemplos. Com isso e com bons argumentos, sem fugir ao tema, eu diria que há boas chances de uma nota razoável.
A prova de Geografia é, a meu ver, uma das mais chatas e imprevisíveis. Cada ano, a prova é de um jeito, ora cobra Geografia física, ora cobra teoria da Geografia etc. No geral, acho que a banca não tem muita noção de que está avaliando conhecimentos importantes para o exercício da profissão de diplomata, não de geógrafo. Assim, frequentemente, aparecem algumas questões bem loucas. O bom das questões mais chatas de Geografia é que a banca costuma ser mais generosa na correção. Há alguns anos, uma questão sobre minérios na África, por exemplo, aterrorizou muitos candidatos, mas, na hora da correção, segundo um professor de cursinho, as notas não foram tão baixas. Por isso, não se preocupe tanto com essas questões mais espinhosas que, eventualmente, aparecem na terceira fase de Geografia.
Em 2011, uma das questões (sobre navegação de cabotagem no Brasil, na década 2001-2010) havia sido tema de uma reportagem do programa Globomar duas semanas antes da prova. Para falar a verdade, eu não sabia nem o que era Globomar, se era uma reportagem do Fantástico, um quadro do Faustão ou a nova novela das sete, mas, como um raio pode cair duas vezes no mesmo lugar, não custa nada informar para que você fique atento a algumas dessas questões mais recentes. Não precisa gravar e tomar notas de todo Globomar daqui para frente. Dar uma olhada nos temas desse tipo de programa, de vez em quando, já deve ser mais que suficiente. Vale dizer que o mais importante é, sempre, Geografia do Brasil. Não precisa assistir o National Geographic sobre monções no Sri Lanka, porque não vai cair. De todo modo, assuntos relativos à costa e ao litoral brasileiros são reincidentes no concurso.
Muitos falam sobre a necessidade de usar o “miltonsantês”, como s~o conhecidos os conceitos de Milton Santos, nas respostas de terceira fase. É algo meio batido, mas acho que todo mundo que faz, pelo menos, o cursinho preparatório para a terceira fase deverá ouvir alguma coisa a respeito, então não se preocupe com isso. Se der para usar alguns conceitos em determinadas questões, use sem exageros. Esses termos podem render bons olhos com a banca, mas ninguém tira total só porque escreveu dez conceitos miltonianos na resposta.
Algumas argumentações s~o “coringas” em Política Internacional. Alguns conceitos, como “multilateralismo normativo”, “postura proativa e participativa”, “articulaç~o de consensos”, “reforma da ordem”, “juridicismo”, “pacifismo”, “pragmatismo”, “autonomia pela participaç~o” etc., poderão ser encaixados em quase todas as respostas de terceira fase. Relações Sul-Sul, América do Sul, BRICS, IBAS, África também são temas que poderão ser empregados em diversos contextos (temáticas recorrentes nos últimos concursos). Desse modo, saiba usar esse conhecimento a seu favor. Se há uma questão que pede comentário sobre algum aspecto da política externa brasileira contemporânea, citar esses conceitos já pode ser bom começo.
Não custa nada lembrar que você está fazendo uma prova para o Ministério em que você pretende trabalhar pelo resto da vida. Criticar a atuação recente do MRE não é sinal de maturidade crítica ou coisa do tipo, pode ter certeza de que n~o ser bem visto pela banca corretora. N~o precisa “puxar o saco” do governo atual descaradamente, mas considero uma estratégia, no mínimo, inteligente procurar ressaltar que, apesar de eventuais desafios à inserção internacional do Brasil, o país vem conseguindo alçar importantes conquistas no contexto internacional contemporâneo, como reflexo de sua inserção internacional madura, proativa e propositiva. Na prova de 2011, a prova da importância de saber a posição oficial do MRE com relação a temáticas da política internacional contemporânea ficou evidente em uma questão que pedia que se discutisse a situação na Líbia, apresentando a posição oficial do governo brasileiro e os motivos para a abstenção do Brasil na votação da resolução 1.973 do Conselho de Segurança da ONU. Saber a posição oficial do governo sobre os principais temas da agenda internacional contemporânea é fundamental na terceira fase. Na primeira fase também: em 2011, um item dizia que o MRE usava a participação na MINUSTAH como “moeda de troca” para o assento permanente no Conselho de Segurança da ONU. Por mais que a mídia sensacionalista diga isso e por mais que você, porventura, acredite nisso, não é essa a posição oficial do Ministério, então isso não está correto e ponto. Seja pragmático e tenha, sempre, em mente que você está fazendo uma prova para o governo. Em dúvida, pense: o que o governo brasileiro defende nessa situação? Essa posição vale tanto para a primeira fase quanto para a terceira.
Com relação à prova de Direito, é uma avaliação, a meu ver, bastante tranquila e uma das mais bem formuladas. Não há grandes segredos, e a leitura (acompanhada do fichamento) dos Guias de Estudos antigos é fundamental. Muitos estilos de questões repetem de um ano para o outro, e alguns argumentos gerais sobre o fundamento de juridicidade do Direito Internacional Público, por exemplo, são úteis quase sempre. Ultimamente, a probabilidade de questões sobre Direito interno propriamente dito tem sido reduzida a temáticas que envolvam o Direito Internacional (como a questão sobre a competência para efetuar a denúncia a tratados, cobrada em 2010). Em Direito Internacional Privado, o que já foi cobrado do assunto, em concursos recentes, esteve relacionado à homologação de sentença estrangeira, assunto bastante básico e tranquilo de estudar. Em Direito Internacional Público (DIP), atenção especial à solução de controvérsias (meios pacíficos, meios coercitivos, meios jurídicos e meios bélicos), ao sistema ONU e ao sistema de solução de controvérsias da Organização Mundial do Comércio, além do supracitado fundamento de juridicidade do DIP (“afinal, por que o DIP é Direito?”). Uma dica que vale tanto para as questões de Direito quanto para as de Economia é tomar cuidado com o número de linhas. Como há questões de 60 e de 40 linhas, corre-se o risco de perder muito espaço com argumentos e ilustrações não necessários à questão. Nas provas dessas duas matérias, não acho que seja tão necessário preocupar-se tanto com a introdução e com a conclusão nas questões de 40 linhas (nas de 60, se houver, devem ser bem curtas), pois não há espaço suficiente para isso. Em minhas provas de terceira fase, apenas respondi a essas questões de 40 linhas diretamente.
A prova de Economia mudou muito, se você comparar as provas de 2008-2009 às de 2010-2011, por exemplo. Anteriormente, havia questões enormes de cálculos, equações de Microeconomia etc. Em 2010, a única questão que envolvia cálculo era ridiculamente fácil. Em 2011, para melhorar a situação daqueles que não gostam dos números, não havia um único cálculo nas questões, todas elas analíticas. Além disso, as cobranças anteriores de Economia Brasileira focavam, especialmente, no período da República Velha (isso se repetiu em 2010). Em 2011, até mesmo o balanço de pagamentos atual do Brasil e a economia dos BRIC na atualidade foram objetos de questões. Talvez seja uma tendência da prova de Economia dos próximos anos, de priorizar o raciocínio econômico, em detrimento dos cálculos matemáticos que aterrorizavam muitos no passado. Ainda que eu não tenha problemas com cálculo (e goste bastante, inclusive), devo admitir que me parece muito mais coerente cobrar economia dos países do BRIC do que insistir nos cálculos de preço de equilíbrio, quantidade de equilíbrio, peso-morto etc., se considerarmos que se trata de uma prova que visa a selecionar futuros diplomatas (aí está uma lição que a banca de Geografia precisava aprender).
Ainda que, à primeira vista, esse novo tipo de prova possa parecer mais fácil, pode não ser tão tranquilo quanto parece. Por mais contemporâneas que as questões sejam, acho que os candidatos correm o sério risco de confundir a prova de Economia com uma prova de Política Internacional (por envolver BRIC, por exemplo). Lembre-se, sempre, de que quem corrige as provas de Economia são economistas. Como economistas, eles valorizam o raciocínio econômico, com o uso de conceitos econômicos, e é isso o que deve ficar claro, em minha opinião, em questões como essa. Tenho maior facilidade com esse raciocínio econômico e com os conceitos da disciplina, por haver participado da monitoria de Introdução à Economia da UnB por quatro semestres. A quem não teve essa experiência, para acostumar-se a esse “economês”, nada melhor que bons noticirios de Economia:
- Brasil Econômico: http://www.brasileconomico.com.b
- Financial Times: http://www.ft.com/home/us
- IPEA: http://agencia.ipea.gov.b
- O Globo Economia: http://oglobo.globo.com/economia/
- The Economist: http://www.economist.com/
- Valor Econômico: http://www.valoronline.com.b, entre vários outros.
Obviamente, não precisa ficar lendo todas as notícias postadas em todos esses sites, todos os dias. Já tentei o esquema de ler uma notícia por dia de uns cinco sites de notícias e cansei facilmente. Não acho que seja possível dizer um número ideal de notícias econômicas lidas por semana, mas sei lá, umas duas ou três já são melhor que nada.
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.07.23 10:09 diplohora Mes estudos para o CACD - Bruno Pereira Rezende

Livro do diplomata Bruno Pereira Rezende
INTRODUÇÃO
📷📷Desde quando comecei os estudos para o Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD), li dezenas de recomendações de leituras, de guias de estudos extraoficiais, de dicas sobre o concurso, sobre cursinhos preparatórios etc. Sem dúvida, ter acesso a tantas informações úteis, vindas de diversas fontes, foi fundamental para que eu pudesse fazer algumas escolhas certas em minha preparação, depois de algumas vacilações iniciais. Mesmo assim, além de a maioria das informações ter sido conseguida de maneira dispersa, muitos foram os erros que acho que eu poderia haver evitado. Por isso, achei que poderia ser útil reunir essas informações que coletei, adicionando um pouco de minha experiência com os estudos preparatórios para o CACD neste documento.
Além disso, muitas pessoas, entre conhecidos e desconhecidos, já vieram me pedir sugestões de leituras, de métodos de estudo, de cursinhos preparatórios etc., e percebi que, ainda que sempre houvesse alguma diferenciação entre as respostas, eu acabava repetindo muitas coisas. É justamente isso o que me motivou a escrever este documento – que, por não ser (nem pretender ser) um guia, um manual ou qualquer coisa do tipo, não sei bem como chamá-lo, então fica como “documento” mesmo, um relato de minhas experiências de estudos para o CACD. Espero que possa ajudar os interessados a encontrar, ao menos, uma luz inicial para que não fiquem tão perdidos nos estudos e na preparação para o concurso.
Não custa lembrar que este documento representa, obviamente, apenas a opinião pessoal do autor, sem qualquer vínculo com o Ministério das Relações Exteriores, com o Instituto Rio Branco ou com o governo brasileiro. Como já disse, também não pretendo que seja uma espécie de guia infalível para passar no concurso. Além disso, o concurso tem sofrido modificações frequentes nos últimos anos, então pode ser que algumas coisas do que você lerá a seguir fiquem ultrapassadas daqui a um ou dois concursos. De todo modo, algumas coisas são básicas e podem ser aplicadas a qualquer situação de prova que vier a aparecer no CACD, e é necessário ter o discernimento necessário para aplicar algumas coisas do que falarei aqui a determinados contextos. Caso você tenha dúvidas, sugestões ou críticas, fique à vontade e envie-as para [[email protected] ](mailto:[email protected])(se, por acaso, você tiver outro email meu, prefiro que envie para este, pois, assim, recebo tudo mais organizado em meu Gmail). Se tiver comentários ou correções acerca deste material, peço, por favor, que também envie para esse email, para que eu possa incluir tais sugestões em futura revisão do documento.
Além desta breve introdução e de uma também brevíssima conclusão, este documento tem quatro partes. Na primeira, trato, rapidamente, da carreira de Diplomata: o que faz, quanto ganha, como vai para o exterior etc. É mais uma descrição bem ampla e rápida, apenas para situar quem, porventura, estiver um pouco mais perdido. Se não estiver interessado, pode pular para as partes seguintes, se qualquer prejuízo para seu bom entendimento. Na segunda parte, trato do concurso: como funciona, quais são os pré-requisitos para ser diplomata, quais são as fases do concurso etc. Mais uma vez, se não interessar, pule direto para a parte seguinte. Na parte três, falo sobre a preparação para o concurso (antes e durante), com indicações de cursinhos, de professores particulares etc. Por fim, na quarta parte, enumero algumas sugestões de leituras (tanto próprias quanto coletadas de diversas fontes), com as devidas considerações pessoais sobre cada uma. Antes de tudo, antecipo que não pretendo exaurir toda a bibliografia necessária para a aprovação, afinal, a cada ano, o concurso cobra alguns temas específicos. O que fiz foi uma lista de obras que auxiliaram em minha preparação (e, além disso, também enumerei muitas sugestões que recebi, mas não tive tempo ou vontade de ler – o que também significa que, por mais interessante que seja, você não terá tempo de ler tudo o que lhe recomendam por aí, o que torna necessário é necessário fazer algumas escolhas; minha intenção é auxiliá-lo nesse sentido, na medida do possível).
Este documento é de uso público e livre, com reprodução parcial ou integral autorizada, desde que citada a fonte. Sem mais, passemos ao que interessa.
Parte I – A Carreira de Diplomata
INTRODUÇÃO
Em primeiro lugar, rápida apresentação sobre mim. Meu nome é Bruno Rezende, tenho 22 anos e fui aprovado no Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD) de 2011. Sou graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (turma LXII, 2007-20110), e não tinha certeza de que queria diplomacia até o meio da universidade. Não sei dizer o que me fez escolher a diplomacia, não era um sonho de infância ou coisa do tipo, e não tenho familiares na carreira. Acho que me interessei por um conjunto de aspectos da carreira. Comecei a preparar-me para o CACD em meados de 2010, assunto tratado na Parte III, sobre a preparação para o concurso.
Para maiores informações sobre o Ministério das Relações Exteriores (MRE), sobre o Instituto Rio Branco (IRBr), sobre a vida de diplomata etc., você pode acessar os endereços:
- Página do MRE: http://www.itamaraty.gov.b
- Página do IRBr: http://www.institutoriobranco.mre.gov.bpt-b
- Canal do MRE no YouTube: http://www.youtube.com/mrebrasil/
- Blog “Jovens Diplomatas”: http://jovensdiplomatas.wordpress.com/
- Comunidade “Coisas da Diplomacia” no Orkut (como o Orkut está ultrapassado, procurei reunir todas as informações úteis sobre o concurso que encontrei por lá neste documento, para que vocês não tenham de entrar lá, para procurar essas informações):
http://www.orkut.com.bMain#Community?cmm=40073
- Comunidade “Instituto Rio Branco” no Facebook: http://www.facebook.com/groups/institutoriobranco/
Com certeza, há vários outros blogs (tanto sobre a carreira quanto sobre a vida de diplomata), mas não conheço muitos. Se tiver sugestões, favor enviá-las para [[email protected].](mailto:[email protected])
Além disso, na obra O Instituto Rio Branco e a Diplomacia Brasileira: um estudo de carreira e socialização (Ed. FGV, 2007), a autora Cristina Patriota de Moura relata aspectos importantes da vida diplomática daqueles que ingressam na carreira. Há muitas informações desatualizadas (principalmente com relação ao concurso), mas há algumas coisas interessantes sobre a carreira, e o livro é bem curto.
A DIPLOMACIA E O TRABALHO DO DIPLOMATA
Com a intensificação das relações internacionais contemporâneas e com as mudanças em curso no contexto internacional, a demanda de aprimoramento da cooperação entre povos e países tem conferido destaque à atuação da diplomacia. Como o senso comum pode indicar corretamente, o
diplomata é o funcionário público que lida com o auxílio à Presidência da República na formulação da política externa brasileira, com a condução das relações da República Federativa do Brasil com os demais países, com a representação brasileira nos fóruns e nas organizações internacionais de que o país faz parte e com o apoio aos cidadãos brasileiros residentes ou em trânsito no exterior. Isso todo mundo que quer fazer o concurso já sabe (assim espero).
Acho que existem certos mitos acerca da profissão de diplomata. Muitos acham que não irão mais pagar multa de trânsito, que não poderão ser presos, que nunca mais pegarão fila em aeroporto etc. Em primeiro lugar, não custa lembrar que as imunidades a que se referem as Convenções de Viena sobre Relações Diplomáticas e sobre Relações Consulares só se aplicam aos diplomatas no exterior (e nos países em que estão acreditados). No Brasil, os diplomatas são cidadãos como quaisquer outros. Além disso, imunidade não é sinônimo de impunidade, então não ache que as imunidades são as maiores vantagens da vida de um diplomata. O propósito das imunidades é apenas o de tornar possível o trabalho do diplomata no exterior, sem empecilhos mínimos que poderiam obstar o bom exercício da profissão. Isso não impede que diplomatas sejam revistados em aeroportos, precisem de vistos, possam ser julgados, no Brasil, por crimes cometidos no exterior etc.
Muitos também pensam que irão rodar o mundo em primeira classe, hospedar-se em palácios suntuosos, passear de iate de luxo no Mediterrâneo e comer caviar na cerimônia de casamento do príncipe do Reino Unido. Outros ainda acham que ficarão ricos, investirão todo o dinheiro que ganharem na Bovespa e, com três anos de carreira, já estarão próximos do segundo milhão. Se você quer ter tudo isso, você está no concurso errado, você precisa de um concurso não para diplomata, mas para marajá. Obviamente, não tenho experiência suficiente na carreira para dizer qualquer coisa, digo apenas o que já li e ouvi de diversos comentários por aí. É fato que há carreiras públicas com salários mais altos. Logo, se você tiver o sonho de ficar rico com o salário de servidor público, elas podem vir a ser mais úteis nesse sentido. Há não muito tempo, em 2006, a remuneração inicial do Terceiro-Secretário (cargo inicial da carreira de diplomata), no Brasil, era de R$ 4.615,53. Considerando que o custo de vida em Brasília é bastante alto, não dava para viver de maneira tão abastada, como alguns parecem pretender. É necessário, entretanto, notar que houve uma evolução significativa no aspecto salarial, nos últimos cinco anos (veja a seç~o seguinte, “Carreira e Salrios). De todo modo, já vi vários diplomatas com muitos anos de carreira dizerem: “se quiser ficar rico, procure outra profissão”. O salário atual ajuda, mas não deve ser sua única motivação.
H um texto ótimo disponível na internet: “O que é ser diplomata”, de César Bonamigo, que reproduzo a seguir.
O Curso Rio Branco, que frequentei em sua primeira edição, em 1998, pediu-me para escrever sobre o que é ser diplomata. Tarefa difícil, pois a mesma pergunta feita a diferentes diplomatas resultaria, seguramente, em respostas diferentes, umas mais glamourosas, outras menos, umas ressaltando as vantagens, outras as desvantagens, e não seria diferente se a pergunta tratasse de outra carreira qualquer. Em vez de falar de minhas impressões pessoais, portanto, tentarei, na medida do possível, reunir observações tidas como “senso comum” entre diplomatas da minha geraç~o.
Considero muito importante que o candidato ao Instituto Rio Branco se informe sobre a realidade da carreira diplomática, suas vantagens e desvantagens, e que dose suas expectativas de acordo. Uma expectativa bem dosada não gera desencanto nem frustração. A carreira oferece um pacote de coisas boas (como a oportunidade de conhecer o mundo, de atuar na área política e econômica, de conhecer gente interessante etc.) e outras não tão boas (uma certa dose de burocracia, de hierarquia e dificuldades no equacionamento da vida familiar). Cabe ao candidato inferir se esse pacote poderá ou não fazê-lo feliz.
O PAPEL DO DIPLOMATA
Para se compreender o papel do diplomata, vale recordar, inicialmente, que as grandes diretrizes da política externa são dadas pelo Presidente da República, eleito diretamente pelo voto popular, e pelo Ministro das Relações Exteriores, por ele designado. Os diplomatas são agentes políticos do Governo, encarregados da implementação dessa política externa. São também servidores públicos, cuja função, como diz o nome, é servir, tendo em conta sua especialização nos temas e funções diplomáticos.
Como se sabe, é função da diplomacia representar o Brasil perante a comunidade internacional. Por um lado, nenhum diplomata foi eleito pelo povo para falar em nome do Brasil. É importante ter em mente, portanto, que a legitimidade de sua ação deriva da legitimidade do Presidente da República, cujas orientações ele deve seguir. Por outro lado, os governos se passam e o corpo diplomático permanece, constituindo elemento importante de continuidade da política externa brasileira. É tarefa essencial do diplomata buscar identificar o “interesse nacional”. Em negociações internacionais, a diplomacia frequentemente precisa arbitrar entre interesses de diferentes setores da sociedade, não raro divergentes, e ponderar entre objetivos econômicos, políticos e estratégicos, com vistas a identificar os interesses maiores do Estado brasileiro.
Se, no plano externo, o Ministério das Relações Exteriores é a face do Brasil perante a comunidade de Estados e Organizações Internacionais, no plano interno, ele se relaciona com a Presidência da República, os demais Ministérios e órgãos da administração federal, o Congresso, o Poder Judiciário, os Estados e Municípios da Federação e, naturalmente, com a sociedade civil, por meio de Organizações Não Governamentais (ONGs), da Academia e de associações patronais e trabalhistas, sempre tendo em vista a identificação do interesse nacional.
O TRABALHO DO DIPLOMATA
Tradicionalmente, as funções da diplomacia são representar (o Estado brasileiro perante a comunidade internacional), negociar (defender os interesses brasileiros junto a essa comunidade) e informar (a Secretaria de Estado, em Brasília, sobre os temas de interesse brasileiro no mundo). São também funções da diplomacia brasileira a defesa dos interesses dos cidadãos brasileiros no exterior, o que é feito por meio da rede consular, e a promoção de interesses do País no exterior, tais como interesses econômico-comerciais, culturais, científicos e tecnológicos, entre outros.
No exercício dessas diferentes funções, o trabalho do diplomata poderá ser, igualmente, muito variado. Para começar, cerca de metade dos mil1 diplomatas que integram o Serviço Exterior atua no Brasil, e a outra metade nos Postos no exterior (Embaixadas, Missões, Consulados e Vice-Consulados). Em Brasília, o diplomata desempenha funções nas áreas política, econômica e administrativa, podendo cuidar de temas tão diversos quanto comércio internacional, integração regional (Mercosul), política bilateral (relacionamento do Brasil com outros países e blocos), direitos humanos, meio ambiente ou administração física e financeira do Ministério. Poderá atuar, ainda, no Cerimonial (organização dos encontros entre autoridades brasileiras e estrangeiras, no Brasil e no exterior) ou no relacionamento do Ministério com a sociedade (imprensa, Congresso, Estados e municípios, Academia, etc.).
No exterior, também, o trabalho dependerá do Posto em questão. As Embaixadas são representações do Estado brasileiro junto aos outros Estados, situadas sempre nas capitais, e desempenham as funções tradicionais da diplomacia (representar, negociar, informar), além de promoverem o Brasil junto a esses Estados. Os Consulados, Vice-Consulados e setores consulares de Embaixadas podem situar-se na capital do país ou em outra cidade onde haja uma comunidade brasileira expressiva. O trabalho nesses Postos é orientado à defesa dos interesses dos cidadãos brasileiros no exterior. Nos Postos multilaterais (ONU, OMC, FAO, UNESCO, UNICEF, OEA etc.), que podem ter natureza política, econômica ou estratégica, o trabalho envolve, normalmente, a representação e a negociação dos interesses nacionais.
O INGRESSO NA CARREIRA
A carreira diplomática se inicia, necessariamente, com a aprovação no concurso do Instituto Rio Branco (Informações sobre o concurso podem ser obtidas no site http://www2.mre.gov.birbindex.htm). Para isso, só conta a competência – e, talvez, a sorte – do candidato. Indicações políticas não ajudam.
AS REMOÇÕES
Após os dois anos de formação no IRBr , o diplomata trabalhará em Brasília por pelo menos um ano. Depois, iniciam-se ciclos de mudança para o exterior e retornos a Brasília. Normalmente, o diplomata vai para o exterior, onde fica três anos em um Posto, mais três anos em outro Posto, e retorna a Brasília, onde fica alguns anos, até o início de novo ciclo. Mas há espaço para flexibilidades. O diplomata poderá sair para fazer um Posto apenas, ou fazer três Postos seguidos antes de retornar a Brasília. Isso dependerá da conveniência pessoal de cada um. Ao final da carreira, o diplomata terá passado vários anos no exterior e vários no Brasil, e essa proporção dependerá essencialmente das escolhas feitas pelo próprio diplomata. Para evitar que alguns diplomatas fiquem sempre nos “melhores Postos” – um critério, aliás, muito relativo – e outros em Postos menos privilegiados, os Postos no exterior estão divididos em [quatro] categorias, [A, B, C e D], obedecendo a critérios não apenas de qualidade de vida, mas também geográficos, e é seguido um sistema de rodízio: após fazer um Posto C, por exemplo, o diplomata terá direito a fazer um Posto A [ou B], e após fazer um Posto A, terá que fazer um Posto [B, C ou D].
AS PROMOÇÕES
Ao tomar posse no Serviço Exterior, o candidato aprovado no concurso torna-se Terceiro-Secretário. É o primeiro degrau de uma escalada de promoções que inclui, ainda, Segundo-Secretário, Primeiro-
-Secretário, Conselheiro, Ministro de Segunda Classe (costuma-se dizer apenas “Ministro”) e Ministro de Primeira Classe (costuma-se dizer apenas “Embaixador”), nessa ordem. Exceto pela primeira promoção, de Terceiro para Segundo-Secretário, que se dá por tempo (quinze Terceiros Secretários são promovidos a cada semestre), todas as demais dependem do mérito, bem como da articulação política do diplomata. Nem todo diplomata chega a Embaixador. Cada vez mais, a competição na carreira é intensa e muitos ficam no meio do caminho. Mas, não se preocupem e também não se iludam: a felicidade não está no fim, mas ao longo do caminho!
DIRECIONAMENTO DA CARREIRA
Um questionamento frequente diz respeito à possibilidade de direcionamento da carreira para áreas específicas. É possível, sim, direcionar uma carreira para um tema (digamos, comércio internacional, direitos humanos, meio ambiente etc.) ou mesmo para uma região do mundo (como a Ásia, as Américas ou a África, por exemplo), mas isso não é um direito garantido e poderá não ser sempre possível. É preciso ter em mente que a carreira diplomática envolve aspectos políticos, econômicos e administrativos, e que existem funções a serem desempenhadas em postos multilaterais e bilaterais em todo o mundo, e n~o só nos países mais “interessantes”. Diplomatas est~o envolvidos em todas essas variantes e, ao longo de uma carreira, ainda que seja possível uma certa especialização, é provável que o diplomata, em algum momento, atue em áreas distintas daquela em que gostaria de se concentrar.
ASPECTOS PRÁTICOS E PESSOAIS
É claro que a vida é muito mais que promoções e remoções, e é inevitável que o candidato queira saber mais sobre a carreira que o papel do diplomata. Todos precisamos cuidar do nosso dinheiro, da saúde, da família, dos nossos interesses pessoais. Eu tentarei trazem um pouco de luz sobre esses aspectos.
DINHEIRO
Comecemos pelo dinheiro, que é assunto que interessa a todos. Em termos absolutos, os diplomatas ganham mais quando estão no exterior do que quando estão em Brasília. O salário no exterior, no entanto, é ajustado em função do custo de vida local, que é frequentemente maior que no Brasil. Ou seja, ganha-se mais, mas gasta-se mais. Se o diplomata conseguirá ou não economizar dependerá i) do salário específico do Posto , ii) do custo de vida local, iii) do câmbio entre a moeda local e o dólar, iv) do fato de ele ter ou não um ou mais filhos na escola e, principalmente, v) de sua propensão ao consumo. Aqui, não há regra geral. No Brasil, os salários têm sofrido um constante desgaste, especialmente em comparação com outras carreiras do Governo Federal, frequentemente obrigando o diplomata a economizar no exterior para gastar em Brasília, se quiser manter seu padrão de vida. Os diplomatas, enfim, levam uma vida de classe média alta, e a certeza de que não se ficará rico de verdade é compensada pela estabilidade do emprego (que não é de se desprezar, nos dias de hoje) e pela expectativa de que seus filhos (quando for o caso) terão uma boa educação, mesmo para padrões internacionais.
SAÚDE
Os diplomatas têm um seguro de saúde internacional que, como não poderia deixar de ser, tem vantagens e desvantagens. O lado bom é que ele cobre consultas com o médico de sua escolha, mesmo que seja um centro de excelência internacional. O lado ruim é que, na maioria das vezes, é preciso fazer o desembolso (até um teto determinado) para depois ser reembolsado, geralmente em 80% do valor, o que obriga o diplomata a manter uma reserva financeira de segurança.
FAMÍLIA : O CÔNJUGE
Eu mencionei, entre as coisas n~o t~o boas da carreira, “dificuldades no equacionamento da vida familiar”. A primeira dificuldade é o que fará o seu cônjuge (quando for o caso) quando vocês se mudarem para Brasília e, principalmente, quando forem para o exterior. Num mundo em que as famílias dependem, cada vez mais, de dois salários, equacionar a carreira do cônjuge é um problema recorrente. Ao contrário de certos países desenvolvidos, o Itamaraty não adota a política de empregar ou pagar salários a cônjuges de diplomatas. Na prática, cada um se vira como pode. Em alguns países é possível trabalhar. Fazer um mestrado ou doutorado é uma opção. Ter filhos é outra...
Mais uma vez, não há regra geral, e cada caso é um caso. O equacionamento da carreira do cônjuge costuma afetar principalmente – mas não apenas – as mulheres, já que, por motivos culturais, é mais comum o a mulher desistir de sua carreira para seguir o marido que o contrário2.
CASAMENTO ENTRE DIPLOMATAS
Os casamentos entre diplomatas não são raros. É uma situação que tem a vantagem de que ambos têm uma carreira e o casal tem dois salários. A desvantagem é a dificuldade adicional em conseguir que ambos sejam removidos para o mesmo Posto no exterior. A questão não é que o Ministério vá separar esses casais, mas que se pode levar mais tempo para conseguir duas vagas num mesmo Posto. Antigamente, eram frequentes os casos em que as mulheres interrompiam temporariamente suas carreiras para acompanhar os maridos. Hoje em dia, essa situação é exceção, não a regra.
FILHOS
Não posso falar com conhecimento de causa sobre filhos, mas vejo o quanto meus colegas se desdobram para dar-lhes uma boa educação. Uma questão central é a escolha da escola dos filhos, no Brasil e no exterior. No Brasil, a escola será normalmente brasileira, com ensino de idiomas, mas poderá ser a americana ou a francesa, que mantém o mesmo currículo e os mesmos períodos escolares em quase todo o mundo. No exterior, as escolas americana e francesa são as opções mais frequentes,
podendo-se optar por outras escolas locais, dependendo do idioma. Outra questão, já mencionada, é o custo da escola. Atualmente, não existe auxílio-educação para filhos de diplomatas ou de outros Servidores do Serviço Exterior brasileiro, e o dinheiro da escola deve sair do próprio bolso do servidor.
CÉSAR AUGUSTO VERMIGLIO BONAMIGO - Diplomata. Engenheiro Eletrônico formado pela UNICAMP. Pós- graduado em Administração de Empresas pela FGV-SP. Programa de Formação e Aperfeiçoamento - I (PROFA -
I) do Instituto Rio Branco, 2000/2002. No Ministério das Relações Exteriores, atuou no DIC - Divisão de Informação Comercial (DIC), 2002; no DNI - Departamento de Negociações Internacionais, 2003, e na DUEX - Divisão de União Europeia e Negociações Extrarregionais. Atualmente, serve na Missão junto à ONU (DELBRASONU), em NYC.
2 Conforme comunicado do MRE de 2010, é permitida a autorização para que diplomatas brasileiros solicitem passaporte diplomático ou de serviço e visto de permanência a companheiros do mesmo sexo. Outra resolução, de 2006, já permitia a inclusão de companheiros do mesmo sexo em planos de assistência médica.
Para tornar-se diplomata, é necessário ser aprovado no Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD), que ocorre todos os anos, no primeiro semestre (normalmente). O número de vagas do CACD, em condições normais, depende da vacância de cargos. Acho que a quantidade normal deve girar entre 25 e 35, mais ou menos. Desde meados dos anos 2000, como consequência da aprovação de uma lei federal, o Ministério das Relações Exteriores (MRE/Itamaraty3) ampliou seus quadros da carreira de diplomata, e, de 2006 a 2010, foram oferecidas mais de cem vagas anuais. Com o fim dessa provisão de cargos, o número de vagas voltou ao normal em 2011, ano em que foram oferecidas apenas 26 vagas (duas delas reservadas a portadores de deficiência física4). Para os próximos concursos, há perspectivas de aprovação de um projeto de lei que possibilitará uma oferta anual prevista de 60 vagas para o CACD, além de ampliar, também, as vagas para Oficial de Chancelaria (PL 7579/2010). Oficial de Chancelaria, aproveitando que citei, é outro cargo (também de nível superior) do MRE, mas não integra o quadro diplomático. A remuneração do Oficial de Chancelaria, no Brasil, é inferior à de Terceiro-Secretário, mas os salários podem ser razoáveis quando no exterior. Já vi muitos casos de pessoas que passam no concurso de Oficial de Chancelaria e ficam trabalhando no MRE, até que consigam passar no CACD, quando (aí sim) tornam-se diplomatas.
Para fazer parte do corpo diplomático brasileiro, é necessário ser brasileiro nato, ter diploma válido de curso superior (caso a graduação tenha sido realizada em instituição estrangeira, cabe ao candidato providenciar a devida revalidação do diploma junto ao MEC) e ser aprovado no CACD (há, também, outros requisitos previstos no edital do concurso, como estar no gozo dos direitos políticos, estar em dia com as obrigações eleitorais, ter idade mínima de dezoito anos, apresentar aptidão física e mental para o exercício do cargo e, para os homens, estar em dia com as obrigações do Serviço Militar). Os aprovados entram para a carreira no cargo de Terceiro-Secretário (vide hierarquia na próxima seç~o, “Carreira e Salrios”). Os aprovados no CACD, entretanto, não iniciam a carreira trabalhando: há, inicialmente, o chamado Curso de Formação, que se passa no Instituto Rio Branco (IRBr). Por três semestres, os aprovados no CACD estudarão no IRBr, já recebendo o salário de Terceiro-Secretário (para remunerações, ver a próxima seç~o, “Hierarquia e Salrios).
O trabalho no Ministério começa apenas após um ou dois semestres do Curso de Formação no IRBr (isso pode variar de uma turma para outra), e a designação dos locais de trabalho (veja as subdivisões do MRE na página seguinte) é feita, via de regra, com base nas preferências individuais e na ordem de classificação dos alunos no Curso de Formação.
3 O nome “Itamaraty” vem do nome do antigo proprietrio da sede do Ministério no Rio de Janeiro, o Bar~o Itamaraty. Por metonímia, o nome pegou, e o Palácio do Itamaraty constitui, atualmente, uma dependência do MRE naquela cidade, abrigando um arquivo, uma mapoteca e a sede do Museu Histórico e Diplomático. Em Brasília, o Palácio Itamaraty, projetado por Oscar Niemeyer e inaugurado em 1970, é a atual sede do MRE. Frequentemente, “Itamaraty” é usado como sinônimo de Ministério das Relações Exteriores.
4 Todos os anos, há reserva de vagas para deficientes físicos. Se não houver número suficiente de portadores de deficiência que atendam às notas mínimas para aprovação na segunda e na terceira fases do concurso, que têm caráter eliminatório, a(s) vaga(s) restante(s) é(são) destinada(s) aos candidatos da concorrência geral.
O IRBr foi criado em 1945, em comemoração ao centenário de nascimento do Barão do Rio Branco, patrono da diplomacia brasileira. Como descrito na página do Instituto na internet, seus principais objetivos são:
harmonizar os conhecimentos adquiridos nos cursos universitários com a formação para a carreira diplomática (já que qualquer curso superior é válido para prestar o CACD);
desenvolver a compreensão dos elementos básicos da formulação e execução da política externa brasileira;
iniciar os alunos nas práticas e técnicas da carreira.
No Curso de Formação (cujo nome oficial é PROFA-I, Programa de Formação e Aperfeiçoamento - obs.: n~o sei o motivo do “I”, n~o existe “PROFA-II”), os diplomatas têm aulas obrigatórias de: Direito Internacional Público, Linguagem Diplomática, Teoria das Relações Internacionais, Economia, Política Externa Brasileira, História das Relações Internacionais, Leituras Brasileiras, Inglês, Francês e Espanhol. Há, ainda, diversas disciplinas optativas à escolha de cada um (como Chinês, Russo, Árabe, Tradução, Organizações Internacionais, OMC e Contenciosos, Políticas Públicas, Direito da Integração, Negociações Comerciais etc.). As aulas de disciplinas conceituais duram dois semestres. No terceiro semestre de Curso de Formação, só há aulas de disciplinas profissionalizantes. O trabalho no MRE começa, normalmente, no segundo ou no terceiro semestre do Curso de Formação (isso pode variar de uma turma para outra). É necessário rendimento mínimo de 60% no PROFA-I para aprovação (mas é praticamente impossível alguém conseguir tirar menos que isso). Após o término do PROFA-I, começa a vida de trabalho propriamente dito no MRE. Já ouvi um mito de pedida de dispensa do PROFA I para quem já é portador de título de mestre ou de doutor, mas, na prática, acho que isso não acontece mais.
Entre 2002 e 2010, foi possível fazer, paralelamente ao Curso de Formação, o mestrado em diplomacia (na prática, significava apenas uma matéria a mais). Em 2011, o mestrado em diplomacia no IRBr acabou.
Uma das atividades comuns dos estudantes do IRBr é a publicação da Juca, a revista anual dos alunos do Curso de Formação do Instituto. Segundo informações do site do IRBr, “[o] termo ‘Diplomacia e Humanidades’ define os temas de que trata a revista: diplomacia, ciências humanas, artes e cultura. A JUCA visa a mostrar a produção acadêmica, artística e intelectual dos alunos da academia diplomática brasileira, bem como a recuperar a memória da política externa e difundi-la nos meios diplomático e acadêmico”. Confira a página da Juca na internet, no endereço: http://juca.irbr.itamaraty.gov.bpt-bMain.xml.
Para saber mais sobre a vida de diplomata no Brasil e no exterior, sugiro a conhecida “FAQ do Godinho” (“FAQ do Candidato a Diplomata”, de Renato Domith Godinho), disponível para download no link: http://relunb.files.wordpress.com/2011/08/faq-do-godinho.docx. Esse arquivo foi escrito há alguns anos, então algumas coisas estão desatualizadas (com relação às modificações do concurso, especialmente). De todo modo, a parte sobre o trabalho do diplomata continua bem informativa e atual.
MEUS ESTUDOS PARA O CACD – http://relunb.wordpress.com
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.07.23 10:07 diplohora Bruno Rezende : mesu estudos para o CACD Parte II – O CACD

Parte II – O CACD
O Concurso
O Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD) é, como o nome indica, o concurso público de entrada no cargo de diplomata do Ministério das Relações Exteriores (MRE). O CACD é, há algum tempo, realizado anualmente, composto por quatro etapas e realizado pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe – site: http://www.cespe.unb.br). Para poder assumir o cargo, as principais exigências, são: ser brasileiro nato e possuir diploma universitário de qualquer formação (há mais pré-requisitos, mas esses são os mais importantes). Essas exigências, entretanto, aplicam-se apenas aos aprovados, para que possam assumir o cargo. Qualquer pessoa pode, independentemente de já possuir o diploma em mãos, fazer o concurso (isso é comum a pessoas que tentam o CACD durante a universidade, por exemplo). Nesse caso, se for aprovado, o candidato deverá apresentar o diploma. Obviamente, se não o fizer, perderá a vaga.
O CACD é dividido em quatro fases, que são as seguintes:
· 1ª FASE: duas provas objetivas (com questões de Certo ou Errado e de múltipla escolha, com penalização para erros) com questões de: Português, Inglês, História Mundial, História do Brasil, Geografia, Política Internacional, Noções de Direito e de Direito Internacional Público e Noções de Economia6. De 2008 a 2010, a prova valia 80 pontos; em 2011, voltou a valer 65 pontos (o número de pontos equivale ao número de questões; questões de Certo ou Errado são compostas por quatro itens; questões de múltipla escolha têm cinco alternativas). As duas provas são realizadas no mesmo dia, normalmente um domingo, pela manhã e pela tarde. A primeira fase também é conhecida como TPS (Teste de Pré-Seleção), seu antigo nome – que, apesar de abandonado pela banca organizadora, continua no vocabulário dos cursinhos preparatórios e de muitos candidatos.
· 2ª FASE: uma prova discursiva de Português, que consiste de uma redação sobre tema geral (80-120 linhas), com valor de 60 pontos, e de duas interpretações, análises ou comentários sobre temas específicos (15-25 linhas), valendo 20 pontos cada, com valor total de 100 pontos. Para ser aprovado, o candidato precisa fazer, no mínimo, sessenta pontos na prova.
· 3ª FASE: seis provas discursivas de: Geografia, História do Brasil, Inglês, Noções de Direito e de Direito Internacional Público, Noções de Economia e Política Internacional. Essas provas, exceto Inglês, consistem de quatro questões (os números de linhas variam entre as matérias: duas questões de 90 linhas e duas de 60 linhas para as provas de Geografia, de História do Brasil e de Política Internacional; duas questões de 60 linhas e duas de 40 linhas para as provas de Direito e de Economia; uma redação em Inglês de 45 a 60 linhas, uma versão do Português para o Inglês com cerca de 150 palavras, uma tradução do Inglês para o Português com cerca de 150 palavras e um resumo de até 200 palavras de um texto de cerca de 1000 palavras7 para a prova de Inglês). Cada prova da terceira fase tem o valor de 100 pontos. Para ser aprovado na terceira fase e ter suas notas da quarta fase divulgadas, o candidato precisa somar, ao menos, 360 pontos no total das seis provas, independentemente da distribuição desses pontos em cada uma dessas provas. Se não conseguir esse limite mínimo, o candidato está, automaticamente, desclassificado
6 O termo “noções” para as provas de Direito e de Economia n~o significa, obviamente, que sejam provas fceis ou que não seja necessário estudar tanto, apenas indica que a cobrança não é tão aprofundada quanto nas demais.
· 4ª FASE: provas discursivas de Francês e de Espanhol (cada prova contém, normalmente, dez questões de interpretação de texto, cada questão valendo 5 pontos; são, normalmente, um ou dois textos para interpretação; o valor total de cada prova é de 50 pontos, somando 100 pontos as duas provas juntas). Os candidatos devem fazer as provas dos dois idiomas, não é possível escolher apenas um. Não é necessário atingir um mínimo de pontos na quarta fase, raz~o pela qual ela é chamada de “classificatória”, n~o “eliminatória”. Nos últimos concursos, entretanto, essa fase tem tido grande relevância, sendo decisiva para definir os aprovados no concurso e a classificação final no certame. Passar para a quarta fase não significa estar aprovado no concurso (afinal, há um limite de vagas). É necessário somar as notas da segunda, da terceira e da quarta fases, para obter a pontuação final do concurso e para calcular a colocação final.
Logo após a primeira fase, o Cespe libera o gabarito preliminar (cerca de dois dias após a realização da prova). Após a liberação do gabarito preliminar, os candidatos têm, normalmente, outros dois dias, para elaborar os recursos ao gabarito preliminar das questões (na última seção da Parte III, tratarei dos recursos mais detidamente). A banca examinadora do concurso leva cerca de três semanas, para, então, divulgar o gabarito definitivo e o resultado final da primeira fase do concurso. Questões anuladas têm a pontuação concedida a todos os candidatos, e questões com alteração de gabarito também têm efeito para todos os candidatos (ou seja, sua nota pode variar para cima ou para baixo entre o gabarito provisório e o gabarito final da primeira fase, de acordo com as modificações no gabarito).
É desnecessário dizer que não há como prever qual será a nota necessária à aprovação na primeira fase, uma vez que são aprovados, como regra geral, os trezentos primeiros candidatos (em caso de empate na última colocação, são convocados todos os candidatos empatados com aquela pontuação). Desse modo, antes da divulgação dos resultados finais da primeira fase, não há como ter certeza da aprovação para a próxima fase. De qualquer forma, veja a porcentagem mínima (valores arredondados da nota do 300º colocado) para aprovação na primeira fase dos últimos concursos realizados na tabela ao lado. Vale observar que, em 2007, não houve questões de Economia e de Direito na primeira fase, o que pode justificar a nota de corte mais elevada em relação aos demais anos.

Os cursinhos costumam elaborar rankings (também disponíveis em grupos como o “Instituto Rio Branco”, no Facebook, e o “Coisas da Diplomacia”, no Orkut) com as notas obtidas pelos candidatos, de acordo com o gabarito preliminar. Esses rankings, obviamente, não são precisos, e, visto que grande parte dos candidatos em condições de ir à segunda fase fica com pontuações muito próximas (no chamado “limbo”), passar ou n~o passar pode dever-se a poucos décimos (ou seja, para muitos, as mudanças no gabarito oficial fazem toda a diferença). Apesar disso, com base nesses rankings, é possível ter uma noção de como o candidato está em relação aos demais, para saber se deve estudar para a segunda fase. Isso é extremamente importante, pois o resultado oficial da primeira fase sai, normalmente, na mesma semana da prova da segunda fase. Assim, se o candidato não começar a preparar-se com antecedência, não terá tempo suficiente para fazê-lo apenas após o resultado oficial da primeira fase.
7 Os números aproximados de palavras das traduções e do texto para resumo foram baseados na prova de 2011. Nada impede que esse valor mude de um ano para o outro. Em concursos anteriores, já houve textos maiores e menores. Vide provas anteriores (todas as provas de 2003 para c est~o disponíveis no “REL UnB”: http://relunb.wordpress.com).
Os cursinhos preparatórios também costumam divulgar uma previsão de margem de erro (ex.: de x% a y%, há alguma chance; de y% a z%, há boas chances etc.). Mesmo que você não tenha feito cursinho (ou queira saber as médias dos candidatos de um cursinho que você não frequentou), basta ligar em algum deles e perguntar. Outros candidatos disponibilizam essa informação na fóruns virtuais como a comunidade “Coisas da Diplomacia” (Orkut) e o grupo “Instituto Rio Branco” (Facebook). Se vir que tem alguma chance de ser aprovado, não perca tempo e comece a estudar para a segunda fase (especialmente para a segunda fase, considero o cursinho essencial, mas digo isso apenas com base em minha experiência; cada um, é claro, deve saber o que é melhor para si, dentro de suas condições). Acho que é melhor estudar e não ser aprovado que não estudar e ser aprovado no susto, desperdiçando a oportunidade. De qualquer modo, não é conhecimento perdido. Ainda que não seja aprovado, você já adianta os estudos para a segunda fase do concurso seguinte. Há, também, alunos que, mesmo sabendo que não passaram (ou mesmo nem havendo feito o concurso), matriculam-se nos cursos intensivos, para não ter de fazer os cursos regulares, que duram vários meses.
Na primeira fase, o Cespe divulga os nomes e as pontuações apenas dos aprovados. Teoricamente, as folhas de respostas de todos os candidatos também são divulgadas. Para as fases seguintes, os respectivos resultados finais apresentam os nomes e as notas de todos os candidatos que foram aprovados para aquela fase, ainda que não tenham obtido a pontuação mínima exigida. Erro comum (principalmente de amigos e de familiares desavisados) é achar que só porque o nome do candidato saiu na relação do Cespe significa que foi aprovado naquela fase. Não é bem assim. Na segunda e na terceira fases, é necessário fazer o mínimo de 60% na nota total da respectiva fase. Além disso, o resultado final do concurso também apresenta as notas finais dos candidatos classificados, com a respectiva classificação. Ser classificado não significa ser aprovado no concurso. É necessário observar o número total de vagas oferecidas. O número de candidatos classificados é divulgado em edital (em 2011, 60 candidatos foram classificados), o que significa que, caso haja uma expansão das vagas, o número máximo de convocados será igual ao número de classificados (em 2011, houve grande expectativa em relação a isso, já que, com a iminência de aprovação de um projeto de lei que prevê a expansão das vagas para a carreira diplomática, os candidatos classificados no concurso – aqueles que não foram aprovados, mas que ficaram entre a 27ª e a 60ª colocação – poderiam ser chamados8).
Com relação à segunda fase, se você olhar os resultados dos últimos concursos, verá que uma “simples” prova de Redação pode ser muito mais complicada do que parece. Não vou me estender quanto às idiossincrasias da banca, disponíveis aos montes em vários fóruns na internet. Ressalto apenas o seguinte: não se deixe enganar, achando que Redação é algo tranquilo ou que “se n~o sou bom em Português, compenso em outras matérias”. Na segunda fase, isso n~o é possível. Muita gente boa não passa na segunda fase por um motivo que, no fim das contas, é relativamente simples. A segunda fase não é uma prova que testa toda a criatividade e a capacidade inventiva dos candidatos. Pelo contrário, é uma prova bastante técnica. Você não está fazendo uma redação para entrar em uma universidade, ocasião em que se quer provar sua capacidade de raciocínio e sua criatividade, cobrando-se narrações, fábulas ou dissertações politicamente engajadas. Trata-se de uma redação para ser admitido em um concurso público, e, como tal, a avaliação visa a verificar a capacidade de os candidatos lidarem com a modalidade culta da língua portuguesa de maneira (por falta de termo melhor) “diplomtica”. Isso envolve, entre inúmeras outras coisas, n~o usar linguagem conotativa, evitar preciosismos, ter argumentos claros e explícitos em cada parágrafo etc. Olhe as melhores respostas dos Guias de Estudos dos concursos anteriores, para ter uma noção do “estilo” de escrita preferido pela banca (todos os Guias de Estudos podem ser encontrados na pgina do Instituto Rio Branco, no site do Cespe ou no “REL UnB”9, uma página com diversos textos úteis sobre Relações Internacionais e sobre o CACD – falarei mais sobre essa página na seção de leituras recomendadas, na Parte IV).
8 Até o fechamento deste documento, não havia maiores novidades com relação a esse tema. O Projeto de Lei que cuida dessa temática é o PL 7579/2010. Atualmente (agosto/2001), o PL está em tramitação na Câmara dos Deputados.
Entre a realização da segunda fase e o início das provas da terceira fase, há um intervalo relativamente grande, de quase dois meses. Nesse período de tempo, ocorrem: correção da prova da segunda fase, divulgação dos resultados provisórios, período para interposição de recursos à correção, análise dos recursos interpostos e divulgação do resultado final da segunda fase.
Os candidatos aprovados na segunda fase (ou seja, aqueles que fizerem mais de 60 pontos de 100 na prova de Redação) passam à terceira fase, na qual são avaliados conhecimentos mais específicos nas seis provas que a compõem. A terceira fase é aplicada, normalmente, em três finais de semanas consecutivos, com uma prova no sábado e outra no domingo. Assim, esgotam-se as seis provas. A aplicação da quarta fase costuma ser concomitante à da terceira (em 2011, por exemplo, as duas provas da quarta fase foram aplicadas na tarde do último domingo de provas da terceira fase, mas isso pode variar; em 2010, por exemplo, as duas provas foram feitas em dias separados) – embora só sejam divulgadas as notas das provas da quarta fase dos candidatos que obtiverem o somatório mínimo de 360 pontos na terceira fase, como já indicado anteriormente. Em síntese, a terceira e a quarta fases são aplicadas em três finais de semana consecutivos, mas a ordem das provas costuma variar todos os anos.
O resultado final do concurso é dado pelo somatório das notas da segunda, da terceira e da quarta fases (como se pode ver, a nota da primeira fase é descartada, contando apenas como último critério de desempate, após vários outros). A seguir, veja uma tabela com as pontuações de alguns candidatos dos últimos concursos realizados. Estão discriminadas as pontuações totais dos candidatos que ficaram no 1º, no 25º, no 50º, no 75º e no 100º lugar, nos últimos seis concursos.

Dúvidas Frequentes: o concurso
- Ainda há entrevista/prova oral? Não existe mais.
- É possível passar no concurso enquanto trabalha 8h por dia? Já vi vários casos assim. É óbvio que isso deve requerer uma disciplina ainda maior, estudos ainda mais puxados etc., mas nem todo mundo que passa no CACD teve tempo de estudos integral. Casos de quem é aprovado com 6 ou 8 horas diárias de trabalho são mais frequentes do que se imagina.
- Quanto vou gastar com cursinho? É impossível fazer uma estimativa, tudo depende muito de diversos fatores, entre eles: a quantidade de matérias que você irá cursar, o cursinho que irá frequentar (há grande diferença de preços e de qualidade, não necessariamente proporcionais), o tempo gasto até a aprovação, as eventuais despesas de morar fora etc. Mesmo se alguém quiser só uma estimativa, uma margem de gastos, não tem como dar. Você pode gastar R$2.000, R$10.000, R$20.000 ou mais só com cursinho, então, infelizmente, essa informação é muito relativa.
- Vou começar a estudar do “zero”. Por onde começo? Não sei o que dizer nessa situação. Talvez, por História Mundial. Fazer uma prova de primeira fase antiga, só para ter uma noção geral do nível da prova, pode ajudar (mas também pode desanimar, e muito). Tente equilibrar as coisas: um pouco de História, Geografia e Português (que são revisões dos tempos de colégio), passe para as demais disciplinas (Economia e Direito) e acho que Política Internacional pode deixar para começar um pouco depois, já que muita coisa depende de conhecimentos de todas as outras disciplinas. Só não se esqueça de dar atenção, também, às línguas: Inglês, Francês e Espanhol têm sido essenciais. Não as despreze.
- Posso ter tatuagem? N~o h nenhuma proibiç~o. Alguns diziam: “mas eles podem implicar na hora da entrevista”. Problema resolvido, pois n~o h mais entrevista. H, apenas, exame médico e psicológico, que só impedem a posse se houver alguma doença séria que incapacite o candidato ao eficaz exercício da profissão.
- Preciso fazer Direito ou Relações Internacionais? Não. Qualquer curso superior reconhecido pelo MEC é válido. De todo modo, acho que predominam, entre os aprovados, os formados nessas áreas. Em 2011, foram 9 graduados em Direito e 7 graduados em Relações Internacionais. Apesar disso, houve, também, aprovados graduados em: Filosofia, Comunicação, Psicologia, Publicidade, Antropologia, Economia, Jornalismo, Administração e Letras – Alemão.
- Se eu tiver mais de uma graduação/especialização/mestrado/doutorado/PhD, levo vantagem no concurso? Não. Ter mais de uma graduação, especialização, mestrado, doutorado, PhD, experiência profissional, tudo isso não acrescenta nada à pontuação do candidato no concurso. A única coisa que conta para a aprovação é a nota nas provas do concurso e ponto. Não sei se existe uma estatística quanto à parcela dos aprovados que tem um adicional à formação do curso superior, mas eu, mesmo, não tenho nada além de minha graduação e não acho que isso tenha prejudicado ou dificultado em absolutamente nada minha preparação.
- No CACD, é possível escolher entre Francês OU Espanhol? Não! Francês E Espanhol. Não sei se muitos se confundem porque, há alguns anos, era diferente, mas ambas as línguas são obrigatórias na quarta fase (em 2011, as provas das duas línguas foram realizadas simultaneamente, com as questões de 1 a 10 de Espanhol e de 11 a 20 de Francês).
- Há cotas no concurso? Mais ou menos. Não há reserva de vagas para afrodescendentes, se é o que você pensou. Em 2011, o concurso passou a contar com um bônus para afrodescendentes. No momento da inscrição, os candidatos podiam declarar-se afrodescendentes. Além de convocar para a segunda fase os 300 candidatos mais bem colocados na primeira fase, os próximos 30 candidatos que se houvessem declarado afrodescendentes também foram convocados, com um total de 330 aprovados na primeira fase (mais os aprovados portadores de deficiência, mas eles têm reserva de vaga, os afrodescendentes não). Da segunda fase em diante, não houve qualquer vantagem para os candidatos afrodescendente que foram aprovados na primeira fase entre as trinta vagas adicionais, competindo de igual para igual com os demais.
- E as bolsas de estudos para afrodescendentes? Todos os anos (normalmente, no segundo semestre do ano), o Instituto Rio Branco realiza um processo seletivo para candidatos à carreira diplomática que se considerem afrodescendentes e que necessitem de ajuda financeira, para bancar os estudos (“Bolsa-Prêmio de Vocação para a Diplomacia”), que d bolsa de estudos de R$25.000 aos selecionados. Maiores informações podem ser conseguidas na página do Instituto Rio Branco (http://www.institutoriobranco.mre.gov.bpt-bprograma_de_acao_afirmativa.xml) ou no site do Cespe (página do processo de 2010: http://www.cespe.unb.bconcursos/IRBRBOLSA2010/)
Várias outras perguntas frequentes são respondidas no site do Instituto Rio Branco, no endereço: http://www.institutoriobranco.mre.gov.bpt-bperguntas_freq%C3%BCentes.xml
Consulte, também, a “FAQ do Godinho”, indicada anteriormente e disponível no endereço:
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.07.20 01:50 aesthetic_Worm Entrada nos EUA durante a pandemia: é possível?

Minha noiva mora em New York City e eu em São Paulo. Já faz um tempo que não nos encontramos por causa da pandemia mas, como as coisas estão muito melhores por lá (falo da cidade e não da situação geral do país) pensamos em tentar alguma aproximação - no caso, eu indo pra lá.
Como existe a regra dos 14 dias, pensamos em acessar algum país de fronteira aberta com os EUA e passar este período por lá. O México parece ser a única opção. No entanto, conversando com uma amiga que trabalha na United, ela diz que brasileiros não estão entrando de qualquer maneira - já o serviço de atendimento da United lá de Nova York disse que não haveria problema caso eu partisse do México após 14 dias da saída do Brasil. Eu tenho tanto o Visa B1/B2 como o ESTA, que é a permissão para cidadãos europeus.
Alguém passou por algo semelhante? Conhece os meandros dessas regras de imigração e entrada nos países? Esse plano seria possível? Ou estamos mesmos condenados a esperar o fim do mundo?
-------------------------- Resumindo:
Brasil -> México 14 dias de isolamento México -> EUA Visto BR ou Europeu
Rola? Obrigado!
submitted by aesthetic_Worm to brasil [link] [comments]


HK VISA BRASIL 275 ExpatsEverywhere: Visa Process for Brazil - YouTube Brazil Visa for Pakistan برازیل کا ویزہ  2019 - YouTube e-Visa Immigration - YouTube How to apply for a K1 Visa from Brazil HOW TO GET A TOURIST VISA FOR BRAZIL UNTIL JUNE 2019 How to apply for brazil visa Brazil tourist visa and settlement - YouTube

Brazil Visa Application & Requirements for Travel ...

  1. HK VISA BRASIL 275
  2. ExpatsEverywhere: Visa Process for Brazil - YouTube
  3. Brazil Visa for Pakistan برازیل کا ویزہ 2019 - YouTube
  4. e-Visa Immigration - YouTube
  5. How to apply for a K1 Visa from Brazil
  6. HOW TO GET A TOURIST VISA FOR BRAZIL UNTIL JUNE 2019
  7. How to apply for brazil visa
  8. Brazil tourist visa and settlement - YouTube
  9. Visa do Brasil - YouTube
  10. Visa go. Brasil - YouTube

Brazil visa from Pakistan India Saudi Arabia and UAE. - Duration: 8:48. Centre of Wisdom 58,080 views. 8:48. The 10 Happiest Countries To Live In The World 2019 - Seen as the World’s Safest ... Are you planning on going to Brazil and are interested in the visa process? Watch Erin talk to ExpatsEverywhere about her experience with getting a visa to w... Nova campanha mundial da Visa. http://www.visa.com/globaladvertising HK VISA BRASIL 275 https://www.facebook.com/groups/visaguideforpakistanis/ To ask any question from me, please join this Facebook group. اگر آپ مجھ سے کوئی سوال ... Brazil and the US consider visa waiver program - Duration: 3:12. CGTN America 1,849 views. 3:12. Tourist Visa. Consulate General of Brazil in Los Angeles - Duration: 4:26. Moeda do Progresso é ir adiante, é fazer algo melhor do que já foi feito. É uma expressão sobre como a Visa e nossos parceiros estão estendendo os benefícios... Seja bem-vindo ao nosso canal! Aqui você vai encontrar várias informações úteis que poderão te ajudar a planejar sua vinda para o Canadá. Quer realizar seu s... hello guys welcome to my channel TUBE MAD,i am always trying to give you some information about visa free countries, and some traveling videos,where you can ... Talk about the interview process, photo requirements for Brazilian visas, different rates for tourist visas for Brazil throughout the world, this vlog is all about how to obtain a Brazilian visa ...